terça-feira, novembro 28, 2017

NO CAMPO DE REFUXIADOS|REFUGIADOS [+12 anos]


Resultado de imagen de refugee camp
No campo de refuxiados, os rapaces quedaron sen unha triste bóla con que xogaren. O aborrecemento estaba a tomar conta dos rapaces que sempre pasaban as horas interminábeis de estadía nel a xogaren partidas de desportes inventados, mais sempre con bólas. Porén, daquela, non quedaba unha triste bóla, porque os gardas requisaran todas. Parecía que o seu labor era precisamente lixar aínda máis os rapaces.

"Pai, ficamos sen bólas". Esas foran as únicas palabras que o Ahmed dixo ao pai.

Este xa sabía o que significaba. Fixo un aceno discreto aos cinco homes que estaban ao pé del, ociosos e sen nada para facer, mais que non perdían detalle do que facían os seus fillos naquel areal onde se alzaba o campo de refuxiados.

"Eh, gardas, tendes cara de fatos e non sabedes nin vos amarrar os cordóns das botas", berrou o pai do Ahmed mentres os remedaba, xunto cos outros cinco homes, do interior da reixa que impedía a saída dos refuxiados do acampamento.

Rapidamente, media ducia de gardas colleron as súas espingardas e desde unha distancia regulamentar, dispararon material antidisturbios contra os cinco homes descarados que ousaban mofarse deles. Foi unha chuvia de proxectiles disparados na dirección dos homes, mais practicamente ningún deles alcanzou ningún corpo, pois os homes correron para o interior do acampamento alzando unha vizosa nube de pó.

Cabo duns minutos, o pai do Ahmed aproximouse do fillo coa camisa envurullada á altura do ventre.

"Toma", dixo o pai e deixou á vista dúas ducias de bólas de goma que os gardas dispararan a el e aos compañeiros. "Xa podedes retomar as vosas partidas".

"Graciñas, pai", dixo o rapaz todo feliz e saíu ás carreiras contra os amigos, con todas as bólas de goma antidisturbios que eles ben saberían reutilizar.



Resultado de imagen de refugee campNo campo de refugiados, os rapazes quedárom sem uma triste bola com que jogarem. O aborrecimento estava a tomar conta dos rapazes que sempre passavam as horas intermináveis de estadia nele a jogarem partidas de desportes inventados, mas sempre con bolas. Porém, daquela, não quedava uma triste bola, porque os guardas requisaram todas. Parecia que o seu lavor era precisamente lixar ainda mais os rapazes.

"Pai, ficámos sen bolas". Essas foram as únicas palavras que o Ahmed dixo ao pai.

Este já sabia o que significaba. Fezo um aceno discreto aos cinco homens que estavam ao pé dele, ociosos e sem nada para fazer, mas que não perdiam detalhe do que faziam os seus fillos naquele areal onde se alçava o campo de refugiados.

"Eh, guardas, tendes cara de fatos e non sabeis nem vos amarrar os cordões das botas", berrou o pai do Ahmed mentres os remedava, junto com os outros cinco homens, do interior da reixa que impedia a saída dos refugiados do acampamento.

Rapidamente, meia dúzia de guardas colhêrom as suas espingardas e desde uma distância regulamentar, disparárom material antidistúrbios contra os cinco homens descarados que ousavam mofar-se deles. Foi uma chuva de projetis disparados na direção dos homens, mas practicamente nenhum deles alcançou qualquer corpo, pois os homens corrêrom para o interior do acampamento alçando uma viçosa nuvem de pó.

Cabo duns minutos, o pai do Ahmed aproximou-se do filho com a camisa embrulhada na altura do ventre.

"Toma", dixo o pai e deixou à vista duas dúzias de bolas de goma que os guardas dispararan a ele e aos companheiros. "Já podeis retomar as vossas partidas".

"Gracinhas, pai", dixo o rapaz todo feliz e saiu às carreiras contra os amigos, com todas as bolas de goma antidistúrbios que eles bem saberiam reutilizar.


© Frantz Ferentz, 2017

Sem comentários: