sexta-feira, abril 03, 2020

ÉRASE OUTRA VEZ




Dramatis Personae


Muller 1
Muller 2
Camareira

Cadro 1

No palco só se ilumina unha mesa de bar con dúas cadeiras no centro, máis para o bordo, de fronte ao público.
Entra unha figura pola esquerda, en penumbra. Nótase que muda a roupa, deixa uns vestidos vistosos. Avanza cara á mesa. É unha muller vestida con roupas de moteira, co seu overol e o seu casco. Senta, deixa o casco no chan e espera.
Así que senta, pola dereita, tamén en penumbra, entra outra muller. Segue o mesmo proceso,desvéstese de roupas vistosas e a seguir achégase tamén da mesa. Leva un vestido sinxello e unha pamela. Aproxímase da primeira muller.
Muller 1 (erguéndose para dar un bico a Muller 2): Ola, linda, todo ben?
Bícanse. Muller 1 senta e Muller 2 achégase da súa cadeira e despois toma asento.
Muller 2: Todo ben, obrigada (quita a pamela e déixaa a pendurar no respaldo da cadeira). Qué tal todo pola casa?
Muller 1: Ben, o meu home, como sempre, de caza, ás súas cousas. 
Muller 2: Cómo te entiendo... o meu, en troques, dedícase a tuitear todo o santo día e subir fotos ao Instagram. Só quere que o admiren.
Ambas largan un sonoro suspiro asemade.

Cadro 2

Nese momento, Achégaselles a camareira. É unha moza que veste unha blusa branca e un pequeno pano vermello que lle suxeita o cabelo. O seu mandil tamén é vermello.
Camareira (sorrindo): Ola, mozas, o que vos poño?
Muller 1: Para min un café con leite, mais con nata por riba.
Camareira: Entendido (toma nota nunha libreta). E para ti? (dirixíndose a Muller 1).
Muller 2: Non che sei, son tan indecisa...
Camareira: Déixame aconsellarche. Temos unha batida de guanábana que resucita un morto. Recoméndocha.
Muller 2: Guaiaba?
Camareira: No, guanábana. É unha froita tamén da América. Éche feísima, mais o seu sabor é unha marabilla.
Muller 2: De acordo, tráeme unha desas.
A camareira toma nota e sae.

Cadro 3

Muller 2: Sabes? Teño tido tantas saudades de ti (toma a man da súa amiga que está enriba da mesa). Non dou entendido como tanto ti coma min nos deixamos arrastrar por un par de cretinos.
Muller 1: Ben, hai que entender o contexto. Eramos moi novas. Ambas viviamos nunhas circunstancias onde os nosos pais nos controlaban, e claro, aqueles dous parvos viñeron, bicáronnos pola primeira vez e cremos que todo era de cor de rosa.
Muller 2: Si, éche así. mais aínda ben que nos coñecemos naquela festa. 
Cóllense ambas as mans.
Muller 2: Non podería vivir todo este inferno sen o teu apoio. Aínda ben que nos podemos ver de vez en cando, estar xuntas, apoiarnos...
Muller 1: Si, mais isto é un remendo. Eu non podo aturar máis. Vou mandar o tuiteiro con súa nai, que para ela é sempre o seu bebé curriño...
Muller 2: Estás certa?
Muller 1: Ao cento cincuenta por cento.
Hai un momento de silencio. Ambas óllanse, sen ceibaren as mans.
Muller 1 (nerviosa): E por qué no dás o paso e mandas o teu cazador a papar ventos e marchamos ti e mais eu xuntas?
Muller 2: Mais para dónde?
Muller 1: Que sei eu. Tanto ten. O importante é que esteamos xuntas. Non quero depender dun tipo só porque unha vez me beixou e aparentemente me salvou.
Muller 2: Enténdote tan ben. Por iso hai tanta química entre nós.

Cadro 4

Entra a camareira. Leva unha bandexa en que transporta as bebidas. Primeiro coloca o café con leite e a seguir a batida de guanábana nun copo alto.
A camareira xa se está a retirar, mais, de golpe, detense e volve para a mesa.
Camareira: Perdoade o atrevemento, mais creo que vos coñezo.
Muller 1 e Muller 2 ceiban as mans e fitan para a camareira.
Camareira: Eu xa vos teño visto dantes (fai xestos de querer recordar). Vós non sodes... non sodes... non sodes... un dueto musical que actuaba hai anos?
Muller 1 e Muller 2 botáronse para atrás, asustadas. Parecían querer non ser recoñecidas, mais agora relaxan.
Muller 2: Non, non somos nós.
Camareira: Disimulade, disimulade.
Muller 1: Nada, muller.
Camareira (mal se dá media volta, cando, de repente, encara as clientas): Xa sei! Vós sodes Branca de Neve e Bela Dormente!
As dúas mulleres bótanse para atrás, arrastrando a cadeira.
Muller 1: Cala, por favor.
Camareira (sorrindo): Tranquilas, aquí estades entre amigas. Non sabedes quen son eu?
Ambas as mulleres negan coa cabeza,
Camareira: Eu son Christine Chapeau.
Ambas as mulleres fican a se ollar sen comprenderen.
Camareira: Máis coñecida como Carapuchiña Vermella.
Muller 1 e 2 (asemade): Ahhh!
Camareira: Así que, ficade tranquilas.
Muller 2: Mais a ti non tentou comerte un lobo e fuches salva por un cazador? 
Camareira: Non, en absoluto. Essa foi a versión que contamos. Na verdade, o cazador era un cretino que quería casar comigo para eu lle cociñar e lle lavar. Valeunos de escusa, fixémoslle crer que matara o lobo, mais o certo é que foi todo unha montaxe. O lobo é agora o meu home, quen, a propósito, é quen serve na barra, levamos o negocio entre os dous.
A camareira saúda ao fondo, mais non se ve nada, porque está escuro, mais óuvese un ouveo.
Muller 1: Obrigada por todo.
Camareira: Non hai de que. E estades convidadas.
Muller 2: Qué bonito detalle! Graciñas outra vez.
A camareira retírase.

Cadro 5

Muller 1: Ben, anímaste?
Muller 2 hesita uns instantes.
Muller 2: De acordo, vaiámonos xuntas e deixemos eses dous mentecaptos.
Muller 1: Se queres, pómolos en contacto entre eles.
Muller 2: Non vale a pena... Son demasiado perfectos, o ao menos iso pensan eles, admíranse só a si propios.
Muller 1 toma o café dun só grolo
Muller 2 téntao, mais precisa de tres grolos.
Muller 1: Daquela, heite recoller mañá ao riscar o día?
Muller 2: Si, Mais como viaxaremos?
Muller 1: Na miña moto, ou seica esqueciches que che son unha muller de recursos?
Ambas érguense e abrázanse. Recollen o casco e a pamela, e xébranse. 
A unha vaise pola esquerda e a outra pola dereita. Ambas volven a se vestir como no inicio, mais agora si se ven as súas roupas. Son traxes de princesas. Ambas colócanse unha diadema.
Saen cada unha por un lateral.

Telón

© Frantz Ferentz, 2020

terça-feira, março 31, 2020

ÍNGRIDO, CABALEIRO MATADRAGÓNS

Desenho de Cavaleiro com espada e escudo pintado e colorido por ...

Íngrido era un cabaleiro matadragóns.
Gañaba a vida a pór a súa espada ao servizo de reis e nobres que tiñan problemas cos dragóns, os cales lle daban diñeiro por liquidar aqueles bichos que queimaban todo ao seu paso.
Porén, ultimamente o negocio ía algo baixo.
Ficaban poucos dragóns e, por tanto, os reis e nobres non contrataban os servizos de cabaleiros coma el.
Mágoa.
Un día, da que Íngrido tomaba o seu baño semestral (un bo cabaleiro só se baña un par de veces por ano no máximo, porque o fedor fai parte da súas estratexias de caza, o cal é algo que eu non dou entendido, mais en fin...), caeu nas súas mans algo que era o equivalente ao xornal daquela época.
Tratábase dun bando, mais non ía formado polo rei, que é o normal, mais tratábase dun bando asinado por un tal Lupubrún que dicía así:

Procúranse cabaleiros matadragóns
abertos a se enfrontar cun só dragón
de modos alternativos, sen espadas,
escudos, nin todas esas zarapalladas.
Achéguense á cova da Kola-Kola
de preferencia ben cedo á primeira hora.

A cova da Kola-Kola era un lugar sinistro onde nin os máis ousados entraban, porque dicían que estaba embruxado.
Porén, o noso cabaleiro quería mellorar o seu currículo.
Tiña que demostrar que el era quen de ir á cova da Kola-Kola e enfrentarse ao dragón que alí dicía o bando que agardaba por un cabaleiro capaz de se lle enfrentar sen espada nin escudo.
E para aló que foi.
Tivo que atravesar desertos, fragas vizosas, montañas nevadas, ríos... até que alcanzou a illa Simpática, que de simpática só tiña o nome, no medio do lago Fontenteira, cuxas augas eran consideradas venenosas.
E alí, naquela illa, era onde se atopaba a cova da Kola-Kola.
Atravesou as augas do lago despois de pagar unha fortuna ao único barqueiro que ousaba sucar aquela superficie.
Pasou a noite ao pé do esqueleto dunha vella árbore que parecía rañar na lúa.
Tivo que esperar ao amañecer.
De fronte, erguíase no centro da illa o antigo volcán Ukululu.
Na metade da aba abría a entrada.
Íngrido deixou a súa armadura, escudo e espada no chan e comezou a subir.
Durante o camiño pensaba en como sería o desafío: ¿loitar coas mans, kungfú, a ver quen duraba máis aturando a respiración, unha guerra de peidos...?
Cando finalmente chegou á entrada da cova, entrou.
Camiñou uns pasos e axiña atopouse co dragón deitado nun recanto.
Cando o dragón o viu entrar, ergueuse e presentouse:
– Benvido, cabaleiro, eu son Lupubrún.
– Daquela, ti es quen asinou o bando.
– Exacto. Estou á procura dun rival digno de min. Serás ti?
– Probemos –dixo Íngrido.
– Acompáñame.
O cabaleiro seguiu o dragón pola cova até chegaron a unha galeria inmensa. 
No centro había algo oculto cun enorme cobertor. 
O cabaleiro pensou que se trataría dunha pista de fango.
Estaba certo de que, se o fose, vencería o dragón.
Nese momento, o dragón puxo uns anteollos e retirou a coberta.
– Que degorrios é iso? –preguntou Íngrido ao ver unha mesa con figuriñas arrombadas enriba.
– Iso? Iso é un taboleiro de xadrez. Escolle, pretas ou brancas?

© Frantz Ferentz, 2020

segunda-feira, março 23, 2020

OS VIZINHOS DO 1ºD

Resultat d'imatges per a "quarantine"
Dia 1: Acabamos de entrar em quarentena pelo Covid-19. Os vizinhos agem como se não dessem pela televisão. Vão e vêm para se visitarem felizes. Nunca apreenderam a falar, sempre gritam. Batem-se entre eles. Parece como se lutassem pela comida. Não sei o que pensar.
Dia 2: Chegam os filhos, vão embora os filhos, voltam os filhos. Tenho a tentação de ligar para a polícia e informar que eles não respeitam o confinamento. Ouço os cães, ignoro se falam com eles ou se se batem com eles.

Dia 3: Enquanto a população toda continua confinada, os vizinhos mantêm a sua vida ordinária. A minha esposa sai à rua para fazer compras e diz que viu os vizinhos, mas levavam máscaras... Para quê? Pergunto-me eu.
Dia 4: Os vizinhos não mudam o seu comportamento.
Dia 5: São as cinco da madrugada. Despertam-me uns barulhos terríveis no corredor. É o exército que entra. Derrubam a porta da casa dos vizinhos. Após duas horas, todos quanto entraram, não saíram. Tudo é silêncio.
Dia 6: Debruço-me ao corredor. A porta da habitação dos vizinhos é fechada. O silêncio dura até à serão. Depois, vêm mais filhos e fazem os barulhos habituais.
Dia 7: Há polícias e militares na rua, mas não ousam subir. Os vizinhos continuam com as suas disputas. Debruço-me à janela e vejo como lançam cadáveres. Há gritos de terror na rua. Retiram os corpos. Todos vão embora. Os vizinhos têm mais festa.
Dia 8: Toda a noite despertos por causa dos vizinhos. De repente entram sem aviso as forças de assalto. É um escândalo sem precedentes. Os vizinhos parece que controlam os assaltantes. Silêncio durante umas horas.
Dia 9: Creio que vamos morrer todos. Estou no chão a escrever estas últimas linhas no telemóvel. Parece ser que os vizinhos controlam o coronavirus à vontade. Fartos dos ataques, usaram-nos contra o resto da população.
NOTA FINAL DO DR. LIEGER: Após ler este diário dum vizinho dos moradores do 1ºD, acho que o controlo que eles obtiveram do coronavírus foi possível graças ao facto de eles serem os últimos australopitecos vivos e serem imunes a vírus como o Covid-19. Daí a sua capacidade de supervivência primeiro e de controlo do vírus depois. Mágoa não termos descoberto dantes que eram a derrdeira tribo de australopitecos a morarem entre nós. Infelizmente, a única hipótese para os seres humanos sobreviverem é desevoluírem para austrolopitecos. Porém, já agora estamos todos, absolutamente todos, contagiados. Por agora, já tirei a minha roupa e preparo-me a caminhar com o apoio das mãos, como os moradores do 1ºD. Eles hão de nos mostrar o caminho.

© Frantz Ferentz, 2020

quinta-feira, fevereiro 20, 2020

ABDUL AL-GHANDUL, UM GÉNIO AZUL

Resultat d'imatges per a "genie"
Prosódio García dispôs-se a introduzir o seu cartão no multibanco. Marcou o código e espero que saísse a seguinte tela, a que dava opções de operar. Mas não aconteceu o que esperava. Não. Aconteceu algo inesperado.
Pela ranura das notas saiu um fuminho azul, que pouco a pouco foi tomando a forma de um ente, com cabeça gorda, corpo miúdo, mas sem pernas, porque em seu lugar tinha uma espécie de rabinho, como de pescado, mas sem nadadeiras ao final. O ente em questão, com os braços cruzados, disse:
– Olá, sou Abdul al-Ghandul, génio deste multibanco.
Prosódio não dava crédito. Um génio? E num multibanco? Apresar do estupor que lhe causava a situação, perguntou:
– Talvez os génios não vivam em lâmpadas?
– Pois, mas a minha foi roubada há tempo.
– E por que moras num multibanco? – inquiriu Prosódio.
– É uma longa história, mas vou-te contar resumidamente. Acontece que venho de um campo de génios no meio do deserto, mas num bom dia, ha alguns anos, uns caçadores de tesouros encontraram a minha lâmpada num templo subterrâneo. Trouxeram-me para cá na lâmpada e venderam-na. Limparam-na com terebintina, com o qual me expulsaram do meu lar, pelos gases, que são irrespiráveis até para os génios. Enfim, quando me dei conta, estava no meio da rua, sem a minha lâmpada. Quanto precisava de um lar urgentemente. Então vi que a gente ia aos multibancos para satisfazer os seus desejos. Não hesitei, fiquei a viver neste multibanco, porque aqui posso satisfazer os desejos das pessoas. No meu caso, estou associado ao teu cartão de crédito.
– Ah, muito bem – exclamou Prosódio –. Isso significa que te posso pedir três desejos, como nas fábulas?
– Claro!
Prosódio mantinha-se um pouco céptico. Suspeitava que aquilo tinha truque, que talvez se tratasse de um programa de câmara oculta, mas decidiu arriscar-se. Se era uma brincadeira, rir-se-ia; se não, quem sabe.
– Está bem. Este é meu primeiro desejo: quero ser rico, imensamente rico.
O génio sacudiu a cabeça e disse:
– Deixa-me dar-te um conselho de amigo: não peças dinheiro. Desde que moro no multibanco, sei como funciona isto. Verás, o Ministério das Finanças pode ficar com a maioria do dinheiro e, se não consegues explicar a sua procedência, até te pesquisarão, serás suspeito de narcotráfico, ou branqueamento de capitais, ou qualquer outro crime.
Prosódio ficou a pensar.
– E então, o que peço?
– Permite-me aconselhar-te – disse Abdul a o-Ghandul –. Pede só aquilo que desejes muito.
– Está bem. Quero: uma casa nova de três andares, um teco-teco para viajar onde eu quiser e... – lá ficou a pensar um momento.
– E? – perguntou o génio.
– É que não sei – hesitou Prosódio.
– Lembra – disse Abdul al-Ghandul –, algo que desejes muito.
– E o melhor amigo que se possa ter – concluiu Prosódio.
– Concedido.
Nesse momento, perante Prosódio apareceram três objetos: uma espécie de casa de bonecas, uma maqueta grande de um teco-teco e... uma espécie de androide. Mas os três objetos tinham algo em comum. Estavam feitos do mesmo material. Estavam fabricados com livros!
Prosódio ia dizer algo, ia pedir explicações a Abdul al-Ghandul, mas então, uma mão lhe agitou o ombro e acordou. Tinha adormecido de pé em frente ao multibanco. Uma senhora zangada disse-lhe:
– Acorde já, que outros queremos usar o multibanco.
Por trás de Prosódio havia já uma bicha considerável de gente a aguardar para levantar dinheiro. Que vergonha. Como podia ter tido aquele sonho ainda por cima de pé?
– Ouça – chamou a senhora indignada a Prosódio enquanto ia embora –, não se esqueça do cartão e dos dez euros...
Prosódio chegou a casa meia hora mais tarde. Meteu a chave na fechadura, abriu, avançou pelo corredor e... e quase se bateu contra o rosto da sua esposa, Plinia, que esperava por ele com cara de poucos amigos.
Ele tentou dar-lhe um beijo, mas ela afastou-se e grunhiu.
– Mas o que se passa?
– Que o que se passa? Vem e explica-me tu...
E sem mais, ela agarrou do antebraço o seu marido e levou-o até onde um momento antes estava o despejo, mas que já não era um despejo, mas uma biblioteca enorme, bem provista, com livros do chão até ao teto.
– E isto? ––perguntou Prosódio.
– Tu é que sabes. Veio aqui um sujeito azul, parecia saído de uma festa de disfarces. Disse que trabalhava para o banco e que vinha da tua parte. Deslizou-se em casa sem que eu o pudesse deter, esteve a bisbilhotar por toda a parte. Meteu-se no despejo, fechou a porta, soaram uns golpes, saiu e foi embora. Quando entrei no despejo, encontrei isso – e acenou para a biblioteca.
Prosódio compreendeu que não tinha sido uma alucinação. Tudo tinha sido real.
– E não te disse mais nada?
– Ah, sim – lembrou Plinia –. Antes de ir embora, disse que nos livros encontrarás todos os teus desejos e mais... e algo acerca de que eles são amigos que nunca falham e que neles está a autêntica magia. Podes explicar-me?
Mas Prosódio limitava-se a mordiscar as esquinas do cartão de crédito.

Frantz Ferentz, 2020