domingo, outubro 30, 2016

A REBELIÓN DOS SACOS DE LIXO [+10 anos]


Resultado de imagen de garbage bag


Personaxes

Saco de lixo 1
Señora con canciño
Axente 1 / saco 2
Axente 2 / saco 3
Corredor / saco 4
Rexedora / saco 5
Capitán da policía / saco 6


O palco é un parque convertido en vertedoiro, con sacos de lixo espallados polo chan, principalmente na metade final, para o fondo. Os sacos de lixo han de ser de preferencia mouros.

O palco estará case ás escuras, excepto por algún foco que ilumine, principalmente, a metade del que cae do lado do público, mentres que a outra metade debe estar na penumbra ou até ás escuras.

De repente, un saco de lixo érguese. Pódese notar a súa forma humana, con brazos e pernas. O saco do lixo aproxímase do centro do palco e espreguiza.

SACO 1: ¡Uahhhhh! (estricando). ¡Que soneca tan agradábel! ¡E agora a cear!

De repente, séntense uns pasos. Tamén se ouven uns ladridos de can pequeno. Aparece por un lateral unha señora a pasear o seu canciño. O can será falso. A señora turra del para o centro do palco. O animal oponse ficando parado, mais a señora conseguirá arrastrar nel. Entre tanto, o saco de lixo ficou inmóbil, sentado, no centro do palco.

SEÑORA: Pinki (ao canciño). Ven, parviño, non queiras que che rogue.

O can continúa a se resistir, mais a señora consegue turrar del e chegan á altura do saco de lixo que permanece inmóbil. E mesmo cando o can chega á altura do saco de lixo, este salta de repente sobre el e devórao dun bocado. A correa cae n chan e óuvese un sonoro arroto.
Entre tanto, a señora ficará paralizada, presa do medo. Mais só uns segundos, a seguir, largará un alarido e correrá para o lateral por que entrara, saíndo do palco.
O saco, polo seu lado, hase erguer tranquilamente do chan e irá reunirse co resto dos sacos de lixo na metade final do palco.

SACO 1: Nótase que ese can estaba ben criado. Aínda que fose tan pequeno, tiña moita carne.

Así que o saco de lixo sente xunto cos outros sacos, entre os cales pasará desapercibido, entrará no palco novamente a señora do can, presa da histeria, acompañada de dous axentes da policía que levan cadansúa lanterna.

SEÑORA: Xúrollo, axente. Un deses sacos lanzouse sobre o me Pinki e comeuno de vez, sen mastigar nin nada (di mentres mentres acena para o centro do palco, onde xa case chegaron, mais alí non hai nada)

AXENTE 1: Imos ver, señora, e non será que o seu Pinki, que debe ser brincallón como todos os cans, no se metería el só nun saco para xogar ou procurar comida e agora non pode saír?

SEÑORA: Que non, axente, que non…

Ambos os axentes e mais a señora xa están no centro do palco. Nese momento, o segundo axente aluma coa súa lanterna para o chan e encontra a correa do Pinki alí botada.

AXENTE 2: Sospeitoso, moi sospeitoso (di mentres mostra a correa do can ao seu compañeiro)

AXENTE 1: Ti ves moitas películas, non si?

Nese momento chega un home a correr, en chándal.

CORREDOR: Deixen paso, por favor.

Tenta evitar os policías e mais a señora. Para iso móvese contra os sacos do lixo. Berra. Cae, pérdese entre os sacos. Un deles acaba de o engulir.

AXENTE 1: Está ben? Mancouse? (ao corredor)

Óuvese de novo un arroto. Do corredor non hai rastro ningún, porque caeu entre os sacos de lixo, mais foi engulido por un deles.

AXENTE 1: (ao axente 2) Achégate e dálle unha axudiña a ese señor, se cadra até se mancou.

AXENTE 2: Non penses, eu vou pedir reforzos. Isto é un ataque de zombis. (O axente 2 quita o seu transmisor e comeza a pedir axuda.). A todas as unidades, temos un 4-3-4, ou quizá sexa un 8-0-3… Ben, non sei, a cousa é que necesitamos de reforzos. Repito, necesitamos de reforzos.

AXENTE 1: Non sexas paranoico.

O axente 1 métese entre os sacos.

AXENTE 1: Señor, está ben? Escóitame? Señor?

       Óuvese un novo arroto. O axente 1 desaparece. É engulido por un saco de lixo, de aí o arroto.
       Ao axente 2 cáelle o transmisor para o chan. Quita a pistola. Treme coma un flan.  

AXENTE 2: Sacos de lixo, estades arrestados. Tendes dereito a gardar silencio. Todo o que digades pode ser usado contra vós. Tendes dereito a un avogado. Se non podedes pagalo, hásevos asignar un de oficio...

Mentres vai dicindo todo isto, coa pistola fora da funda, o axente métese tamén entre os sacos de lixo. Axiña desaparece da vista. Óuvese un novo arroto. Tamén el é engulido.
Tres sacos póñense en pé.

SACO 1: Vedes como eu tiña razón? Aquí hai cea para todos.

SACO 2/AXENTE 1: Certo, mais este poli tiña o colesterol un bocadiño alto.

SACO 3/CORREDOR: Polo contrario, o meu era todo fibra. Non gusto de comer deportistas, déixanme famento…

SACO 1: Está ben, non vos queixedes, que eu só comín un can miudiño.

SACO 4/AXENTE 2: A min este policía provócame gases… (e larga un arroto).

Entrementres, a dona do can foi testemuña muda da conversa entre os sacos de lixo. Mais nese instante reacciona e fala co saco 1. Comeza a bater nel co seu bolso.

SEÑORA: Devólveme o meu Pinki, devólvemo…

SACO 1: Señora, pare quieta, por favor.

A señora aínda bate no saco dúas veces máis co seu bolso. Mesmo entón chega a rexedora co capitán da policía.

CAPITÁN: Todo ben, señora?

SEÑORA: Si, mais quero que este lixo me devolva o meu Pinki.

SACO 1: Guau, guau.

SEÑORA: Pinki!

O capitán achégaselle con cautela, esquivando os sacos de lixo; cóllelle a man e turra dela e quítaa da zona dos sacos até a colocar cabo da rexedora.

REXEDORA (ao saco 1): Que reivindicacións tendes?

SACO 1: Só queremos comer.

REXEDORA: Desde cando os sacos de lixo se alimentan?

SACO 1: Desde que vós, os humanos nos creastes. Non estades conscientes de todo o que botades para o lixo. Toneladas e toneladas de desperdicios en vertedoiros. Aí o deixades todo e, se tal, soterrádelo. Entón, sabede que despois de tanto tempo a vos desfacer dos vosos desperdicios, nós cobramos vida. Vós creástesnos…

REXEDORA: Iso é imposíbel. Nós non fixemos tal. Somos os amos do planeta.

SACO 1: Iso é o que vós credes.

REXEDORA: Ademais, como fededes. É que ninguén vos explicou o que é unha ducha?

SACO 1: Señora, sómoslle lixo.

Nese momento, todo o palco fica ás escuras. Non se ve nada. Apenas se ouven tres arrotos consecutivos. Os tres personaxes son engulidos por tres sacos baleiros. Proseguirá a escuridade.

SACO 2/AXENTE 1: Bo proveito

SACO 1: Graciñas.

SACO 5/REXEDORA: Graciñas.

SACO 6/CAPITÁN: Graciñas.

       Regresa a luz. Os seis sacos son de novo os seis personaxes que foron previamente engulidos, aínda que enfundados nun saco de plástico por riba das súas roupas (deixarán saír a cabeza, os brazos e as pernas. O saco 1 é agora a señora do canciño, mas esta camiña sobre catro patas e ladra.

AXENTE 1: Xa está. Agora o planeta é noso.

REXEDORA: E eu vou ordenar, que é do que gusto.

AXENTE 2: Ah, non, que eu sempre quixen ordenar tamén. Déixame a min, déixame a min.

REXEDORA: Nin penses.

CORREDOR: Parecedes humanos.

SEÑORA (fala medio ladrando): Tes razón, arf, arf, tes razón… Auuu (ouveando)

CAPITÁN: Non discutades. O importante é que o demos feito. Como sabía eu que aquel vello ditame humano era totalmente certo.

TODOS JUNTOS: Que ditame?

CAPITÁN: Aquel que di: “Somos o que comemos”. Por tanto, se os humanos comen lixo, son lixo; mais, se nós comemos humanos, somos… (para o público)

REXEDORA (para o público, adiantándose até o bordo do palco): Por favor, non nos confundades cos zombis. Nós cheiramos moito peor.


TELÓN


© Frantz Ferentz, 2016

sábado, outubro 15, 2016

OS OLHOS|OLLOS DA SOLE [+8 anos]

A Sole veio passar umas férias para nossa casa. Era amiga da minha irmã Cecília. Dormia num pequeno quarto ao lado da cozinha que fora preparado para ela ter lá o seu dormitório. 

Todas as manhãs, repetia-se o mesmo ritual, que começava com a minha irmã a bater na porta do quarto da Sole.
— Posso? —perguntava a minha irmã.

— Não, que ainda não pintei os olhos —dizia sempre a Sole.

E então minha irmã ficava à espera da Sol dizer, após uns minutos:

— Já podes.

E então a minha irmã dava os bons dias à Sol e iam juntas tomar o pequeno-almoço. Eu sempre era testemunha muda daquele ritual de que elas tanto gostavam, mas confesso que, na altura, estava imensamente curioso de ver como a Sole pintava os olhos, porque, quando saíam, parecia uma princesa egípcia, com aqueles olhos pretos e aquelas pestanas que quase acarinhavam a pessoa que estava em frente da Sole.

Porém, um dia quis pregar partidas à Sole. Cheguei até à porta do seu quarto antes do que a minha irmã. Bati suavemente na porta e disse a tentar imitar a voz da minha irmã:

— Posso?

E ela respondeu como sempre:

— Não, que ainda não pintei os olhos.

Mas eu abri a porta. Ela estava virada de costas, por isso não vi o seu rosto no primeiro momento. Mas quando se virou, fiquei assustado. Embora estivesse em frente de mim, ela não me via, não tinha... olhos! Não me podia ver. O seu rosto estava completo, mas, com efeito, não tinha olhos.

— Mas é que estás sorda? —disse ela, acreditando que eu era a minha irmã—. Ainda não pintei os olhos. Sai e espera fora por mim, por favor. Um dia vou fazer-te eu a mesma coisa a ti antes de pintares a boca e deixo-te sem pequeno-almoço...

Não abri a boca. Saí do quarto e fiz soar a porta para ela saber que saía. Nunca contei aquilo a ninguém. Até hoje, quando, em adolescente, acabo de descobrir que posso barbear-me com uma borracha.



A Sole veu pasar unhas ferias para a nosa casa. Era amiga da miña irmá Cecilia. Durmía nun pequeno cuarto ao lado da cociña que fora preparado para ela ter alá o seu dormitorio. 

Todas as mañás, repetíase o mesmo ritual, que comezaba con a miña irmá a bater na porta do cuarto da Sole.

— Podo? —preguntaba miña irmá.

— Non, que aínda non pintei os ollos —dicía sempre a Sole.

E entón miña irmá ficaba á espera da Sol dicir, após uns minutos:

— Xa podes.

E entón a miña irmá daba os bos días á Sol e ían xuntas tomar a parva. Eu sempre era testemuña muda daquel ritual de que elas tanto gustaban, mas confeso que, na altura, estaba inmensamente curioso de ver como a Sole pintaba os ollos, porque, cando saían, parecía unha princesa exipcia, con aqueles ollos pretos e aquelas pestanas que case acariñaban a persoa que estaba en fronte da Sole.

Porén, un día quixen brincar coa Sole. Cheguei até a porta do seu cuarto antes que a miña irmá. Batín suavemente na porta e dixen a tentar imitar a voz da miña irmá:

— Podo?

E ela respondeu coma sempre:

— Non, que aínda non pintei os ollos.

Mas eu abrín a porta. Ela estaba virada de costas, por iso non vin o seu rostro no primeiro momento. Mas cando se virou, fiquei asustado. Embora estivese en fronte de min, ela non me vía, non tiña... ollos! non me podia ver. O seu rostro estaba completo, mas, con efecto, non tiña ollos.

— Mas é que estás xurda? —dixo ela, acreditando que eu era a miña irmá—. aínda non pintei os ollos. Sae e espera fora por min, por favor. Un día heiche facer eu a mesma cousa a ti antes de pintares a boca e déixote sen parva...

Non abrín a boca. Saín do cuarto e fixen soar a porta para ela saber que saía. Nunca contei aquilo a ninguén. Até hoxe, cando, en adolescente, acabo de descubrir que podo barbearme con un borrador.


© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Ilustração: Valadouro, 2016

terça-feira, outubro 04, 2016

QUESTÃO DE CEGONHAS OU DONDE VÊM AS CRIANÇAS [+10 anos]


A nova professora, a Martinha, vinha nervosa para a sala de aula. O que chegava naquele momento no temário era a reprodução humana. Era um tema muito delicado e ela não sabia se seria capaz de explica-lo bem. 

Meia hora antes, a diretora dizia-lhe: 

– Não tenhas medo. É só seguires o que diz o livro de texto –e entregou-lhe uns fólios–. Este governo indecente impõe um temário que vai contra os bons princípios, bem sei, mas temos a obriga de explicar a questão dos filhos. Porém, cá temos estes materiais feitos na própria escola que te serão muito úteis. 

Embora a Martinha tivesse aqueles materiais, ela estava muito nervosa. Aquele era um tema de que não gostava nada tratar. Preferia mil vezes tratar na criação, o amor na família ou até como a poluição destrói a criação. Mas falar em reprodução humana... Nos países sérios não se tocavam esses temas até que os rapazes tinham vinte anos, ou mais. Como se podia falar nisso com alunos de oito anos? Como? 

Pelo corredor da escola ressoavam os tacos dos sapatos da professora. O eco fazia com que o som se estendesse por todo o edifício. Finalmente, a Martinha alcançou a sala de aula. Entrou, cumprimentou e disse num tom muito formal: 

– Hoje vamos falar de um tema muito sério. 

– De quê, professora? 

– Vamos falar... vamos falar... vamos falar... –finalmente tomou fôlegos e disse o queria dizer–, vamos falar donde é que vêm as crianças. 

Logo começaram os murmúrios entre os alunos. A professora estava nervosa demais, portanto, apenas repartiu entre eles os materiais que a própria escola tinha preparado. Tratava-se de uma coisa que eles consideravam um conto porque narrava uma estória. E como não podia ser de outra maneira, falava em cegonhas que traziam as crianças. A estória dizia assim. 




Numa noite de inverno, o João perguntou aos seus pais: 

– Papá, mamã, donde é que vêm as crianças? Ouvi dizer na escola que é como com uma semente que o pai planta na mãe. 

O pai sorriu e fez festas na cabeça do filho. 

– Não, filhote. Parecemos plantas? Temos flores e folhas? Somos verdes? Não. É a cegonha que traz os filhos.? 

– E donde é que vêm? 

Ali a mãe disse: 

– Quando o pai e a mãe se amam muito, pedem para a cegonha vir e trazer-lhes um filho. 

– Eu gostaria de ter um irmãozinho! – disse o João 

– Então vamos pedir à cegonha para te trazer um irmão –disseram o pai e a mãe. 

E nove meses depois, a cegonha pousou no peitoril da janela da casa do João e lá deixou um vulto suave. 

Era um irmãozinho. 

– Obrigados! –gritaram os três. 

– E sabes porque nos trouxe o teu irmão a cegonha? –perguntou a mãe ao João. 

– Não sei 

– Porque nos amamos muito. E agora que somos quatro, temos que nos amar ainda mais. 

E assim foi desde então. 


“Que estória tão boa”, pensou a Martinha, quem quase tinha lágrimas nos olhos pela emoção. 

E então observou a expressão dos seus alunos. Estavam todos sérios. 

– Querem comentar algo? –preguntou a professora. 

A Sofia alçou a mão e pediu para falar: 

– Professora, você não calculou nunca a quantidade de pessoas que há no mundo? São mais de mil milhões de seres humanos. É matematicamente impossível que a cegonha traga as crianças. Não há tanta cegonha no mundo. 

– Professora –disse então o Filipe–, as cegonhas são aves migratórias. Isso quer dizer que estão aqui connosco apenas de fevereiro até agosto. Como iam elas trazer as crianças no resto do ano? 

– Professora –comentou o Pedro–, mas não explicou como é que se pedem as crianças. 

Aí a professora ficou congelada. Respondeu a primeira coisa que lhe veio à cabeça: 

– Se calhar há um serviço de mail, sei lá. 

A Martinha estava a sentir uma angústia terrível. 

– Então –prosseguiu o Pedro–, como faziam antes quando não havia mail? Sinais de fumo? 

A Martinha queria sair da sala de aulas, mas não era muito sério isso. 

– Professora –disse a seguir a Helena–, há países onde não há cegonhas, como na Groenlândia. Como fazem lá? Trazem as crianças os pinguins? 

Aí a Martinha já não resistiu e saiu da sala de aulas. Sofreu um colapso nervoso e teve que ficar em casa uma semana, em repouso absoluto. 

Porém, os seus estudantes gostavam muito dela. Quiseram ter um detalhe com a professora. Por isso, entre todos pagaram um presente que lhe foi enviado para a sua morada. 

Quando a professora desembrulhou o pacote, encontrou um DVD e uma nota assinada por todos os seus estudantes que dizia: 

«Cara professora Martinha, as melhoras. Aproveitamos para lhe oferecer este DVD que explica donde vêm as crianças. Se calhar ainda não tem filhos porque ninguém lhe explicou como se fazem. Se precisar qualquer explicação, cá estamos nós. Forte abraço dos seus estudantes».

© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Imagem: Valadouro

domingo, setembro 25, 2016

OS PROBLEMAS DE MARCELO SPIDERMAN [+6 anos]

   O Marcelo tinha seis anos e do que mais gostava na vida era imitar o Spiderman. Vestia como ele, pulava como ele, tentava salvar o mundo como ele (de facto o único que conseguia era incomodar o gato da casa, o Chocolate) e até tentava trepar como ele, mas aí já não conseguia, porque o Marcelo carecia de poderes arácnicos.
   O que ele sentia pelo Spiderman era mais do que admiração. Se o deixavam, ia para a escola vestido como Spiderman, o qual chateava a mãe, quem lhe dizia que os heróis infantis também têm personalidade secreta e que a sua era a do Marcelo, portanto não podia ir à escola vestido como Spiderman. Felizmente, aquele argumento deu certo e apenas vestia como Spiderman em casa.
   Mas o seu quarto era um caos. Era impossível mantê-lo arrumado. Assim que regressava da escola, lançava tudo quanto lá havia para o ar. Cataplum. Faziam-se pequenas montanhas de brinquedos e de roupa.
   — Olha, Marcelo...
   — Spiderman, mamã.
   — Olha, Spiderman, os superheróis são muito limpos. Mantêm os seus quartos perfeitamente arrumados.
   Aquelas palavras deixaram o Marcelo a pensar. Por isso, aproveitou que a mamã estava ao telefone e sentou diante do computador, que estava ligado e tecleou: quarto Spiderman.
   E o que lá apareceu foi surpreendente. Saíam imagens do Peter Parker. E, certamente, o seu quarto dava nojo. Estava tão desarrumado como o do Marcelo. O miúdo ficou a sorrir à espera de a mãe terminar o seu telefonema para lhe mostrar as imagens.
   Quando a mãe acabou de falar, encontrou aquele dedinho do Marcelo a acenar para o ecrã. A mãe apercebeu-se imediatamente do que se passava. Tinha que reagir logo. Tecleou rapidamente algo que o Marcelo não conseguiu ler, porque escrevia muito depressa. Enseguida apareceram imagens do Spiderman com a roupa rota e deitado no chão vencido por um inimigo mais poderoso do que ele.
   — Estás a ver isso? —perguntou a mamã.
   — Estou... —respondeu o Marcelo ligeiramente assustado.
   — Isso é o que acontece ao Spiderman cada vez que um dos seus inimigos chega a sua casa e encontra esse caos e essa desarrumação no seu quarto. Os inimigos do Spiderman podem perdoar-lhe qualquer coisa, mas não que tenha o quarto tão desarrumado, portanto, vai arrumá-lo já!
   E o Marcelo despachou-se a arrumar o seu quarto, sem protestar e sem olhar para trás.

© Texto: Frantz Ferentz, 2016
Imagem: Valadouro

domingo, setembro 11, 2016

COMO NEUTRALIZAR O MONSTRO DOS PESADELOS [+10 anos]

Quando o Alberto abriu os olhos no meio da noite, descobriu que novamente lá estava o monstro dos pesadelos, ao seu lado, a contemplá-lo com o seu rosto horrendo, a grunhir e a mostrar os seus caninos inferiores a lhe sobressair para cima. Aliás, cada vez que ficava na cama, deixava tudo coberto de pelos e a mãe do Alberto zangava-se com ele, porque dizia que o cão não podia dormir na cama com o miúdo. A coitada da mãe nem se apercebera que eles não tinham cão.

Não é que o Alberto se assustasse com aquele monstro. Já tinha uma idade em que um simples monstro não era capaz de assustá-lo, mas incomodava-o muito. Por isso, decidiu provar alguma estratégia que lhe permitisse dormir toda a noite inteira sem ser incomodado pelo monstro. Descobriu-o por acaso, quando uma noite deixou o computador ligado e adormeceu. Quando abriu os olhos, lá encontrou o monstro dos pesadelos a navegar pela net. Parecia estar a desfrutar daquele invento. Como observara o Alberto utilizar o rato e saltar de página para página (o monstro seria um monstro, mas não era estúpido), apreendera a navegar. 

No dia seguinte, o Alberto comentou com a sua colega de escola, a Lúcia, como o seu monstro dos pesadelos passara toda a noite a navegar pela net. Ela ficou muito interessada naquele episódio, porque ela tinha no quarto também um monstro dos pesadelos com complexo de gato, que passava toda a noite a dormir com ela, deixando-a sem espaço na cama e a roncar como um urso. 

— Olha, tenho uma ideia —disse o Alberto à Lúcia—. Importas-te se esta noite nos encontramos no chat no computador? 

— Não sei, meus pais não gostam que eu me ligue tarde. 

— Fia-te de mim. 

A Lúcia ligou-se à noite para conversar com o Alberto. Mal falaram cinco minutos, quando o Alberto disse à sua colega: 

— Olha, eu vou já adormecer, mas vou deixar o computador ligado. Faz tu a mesma coisa. 

— Mas, porquê? 

— Não perguntes. Amanhã saberás. 

E fizeram assim. Aquela noite, ambos deles dormiram de uma vez, sem sobressaltos. Quando o Alberto acordou ao amanhecer, encontrou o seu monstro dos pesadelos a conversar pelo chat ainda com o monstro da Lúcia. Passaram toda a noite a conversar entre eles. Se calhar, aqueles dois monstrinhos até eram rapaz e rapariga, mas isso ele não sabia, porque é muito complicado averiguar qual o sexo de um monstro dos pesadelos por causa da pelagem. 

— Oi, já são horas de ires dormir, não são? —disse o Alberto para o monstro, o qual grunhiu suavemente e voltou para debaixo da cama. 

O Alberto coçou a cabeça e disse para si: 

— Como sabia eu que o problema destes monstros é que estão demasiado sozinhos. Quando encontram alguém com quem falar, esquecem-se de assustar. 

Então ergueu-se dando um pulinho e foi para a cozinha.

© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Imagem: Valadouro

terça-feira, setembro 06, 2016

O FILLO | FILHO DA PRINCESA E O TOURO DESPIEDADO [+14 anos]


Cando o Luís, o fillo maior da princesa, tivo a ocasión de dar a súa primeira entrevista, unha das cousas que el dixo é que gustaba de touradas. Sabía que no país había unha corrente cada vez maior contra as touradas, mais el pensaba que tiña que defender as tradicións do seu país, aquelas que o tornaban diferente. Se cadra, só se cadra, el podería converterse en rei no futuro, pois pertencía á familia real. Ademais, desde que tiña memoria, súa mai, a princesa, levárao ás touradas e o rapaz aprendera o que era a coraxe... allea.

Porén, o que el nunca imaxinara, é que ía ter ocasión de practicar o que defendía. Foi cando, nunha ocasión, o Luís, encanto ía á caza co pai, afastouse do grupo a seguir as pegadas dunha raposa e caeu por un pequeno barranco. Logo o pai e os acompañantes comezaron a procuralo con desesperación, mais foi precisamente na dirección contraria. O Luís esvaecera pola caída e pasou a noite inconsciente. Cando, de mañá, acordou, encontrouse nunha devesa. Alí había touros, moitos touros, e vacas. Sentiu medo. Tentou alcanzar un regato cuxas augas sentía correr para acalmar a sede e limpar o sangue seco. 

Encanto estaba axeonllado e vulnerábel, sentiu o alento dun touro inmenso, preto, fero, orgulloso, no outro lado do regato. O regueiro non era unha barreira entre o Luís e o touro. Sabía que se a besta daba un pequeno salto, chegaría até el. Sentiu medo. Mais ao mesmo tempo, pensou que el era un hipotético herdeiro do trono e que podía imitar os valentes toureiros cando dominaban aquelas feras sen sentimentos. Como estaría orgullosa súa mai se o vir! Tirou o seu casaco, que tiña unha cor relativamente vermella e fixo o xesto de querer tourear, como tiña visto tantas veces nas touradas, até gritaba ao animal: "Eh, touro; eh, touro!".

O animal debeu responder aos seus instintos porque atravesou o regato, mais sen présas, con toda a calma. Colocouse en fronte do Luís. O rapaz podía notar perfectamente o alento do touro. Esperaba mesmo que o animal baixase a cabeza e cravase o chifre no seu ventre. O fillo da princesa rendeuse. Cerrou os ollos e esperou chorando o seu final. 

E entón aconteceu. O touro pasou a súa longa, viscosa e pegañenta lingua polo rostro do rapaz, que era o seu modo de cumprimentar os amigos. O Luís abriu os ollos e sentou no chan. Despois rompeu a chorar. De repente, a uns centos de metros, às costas do Luís, voces inquietas gritaban o seu nome, entre elas a de seu pai, o grande executor de aves condenadas á morte. O touro afastouse lentamente do rapaz e voltou co resto da súa manada.




Quando o Luís, o filho maior da princesa, teve a ocasião de dar a sua primeira entrevista, uma das coisas que ele disse é que gostava de touradas. Sabia que no país havia uma corrente cada vez maior contra as touradas, mas ele achava que tinha que defender as tradições do seu país, aquelas que o tornavam diferente. Se calhar, só se calhar, ele poderia converter-se em rei no futuro, pois pertencia à família real. Aliás, desde que tinha memória, sua mãe, a princesa, levara-o às touradas e o rapaz apreendera o que era a coragem... alheia.

Porém, o que ele nunca imaginara, é que ia ter ocasião de praticar o que defendia. Foi quando, numa ocasião, o Luís, enquanto ia à caça com o pai, afastou-se a seguir o rasto de uma raposa e caiu por um pequeno barranco. Logo o pai e os acompanhantes começaram a procurá-lo com desesperação, mas foi precisamente na direção contrária. O Luís esvaecera pela caída e passou a noite inconsciente. Quando, de manhã, acordou, encontrou-se numa devesa. Lá havia touros, muitos touros, e vacas. Sentiu medo. Tentou alcançar um regato cujas águas sentia correr para acalmar a sede e limpar o sangue seco. 

Enquanto estava ajoelhado e vulnerável, sentiu o alento de um touro imenso, preto, fero, orgulhoso, no outro lado do regato. O regueiro não era uma barreira entre o Luís e o touro. Sabia que se a besta dava um pequeno salto, chegaria até ele. Sentiu medo. Mas ao mesmo tempo, pensou que ele era um hipotético herdeiro do trono e que podia imitar os valentes toureiros quando dominavam aquelas feras sem sentimentos. Como estaria orgulhosa sua mãe se o vir! Tirou o seu casaco, que tinha uma cor relativamente vermelha e fez o gesto de querer tourear, como tinha visto tantas vezes nas touradas, até gritava ao animal: "Eh, touro; eh, touro!".

O animal deveu responder aos seus instintos porque atravessou o regato, mas sem pressas, com toda a calma. Colocou-se em frente do Luís. O rapaz podia notar perfeitamente o alento do touro. Esperava mesmo que o animal baixasse a cabeça e cravasse o chifre no seu ventre. O filho da princesa rendeu-se. Cerrou os olhos e esperou chorando o seu final. 

E então aconteceu. O touro passou a sua longa, viscosa e pegajosa língua pelo rosto do rapaz, pois que esse era o seu modo de cumprimentar os amigos. O Luís abriu os olhos e sentou no chão. Depois rompeu a chorar. De repente, a uns centos de metros, às costas do Luís, vozes inquietas gritavam o seu nome, entre elas a de seu pai, o grande executor de aves condenadas à morte. O touro afastou-se do rapaz e voltou com o resto da sua manada.

© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Imagem: Valadouro

quinta-feira, agosto 04, 2016

A PRINCESA ROSMONA / A PRINCESA RESMUNGONA [+10 anos]


Era unha vez un reino remoto onde a herdeira do trono era unha princesa chamada Lidia. Mais non era unha princesa calquera, era unha princesa que toda a xente coñecía por unha característica moi especial: era unha princesa rosmona.
       Era a princesa que mais rosmaba no mundo. De facto, pasaba todo o dia a rosmar. Cada vez que se topaba con algo de que non gustaba, rosmaba. Se lle servían polo con ervellas, rosmaba, porque ela gustaba de polo e de ervellas, mas por separado. Se lle servían o cacao fraquiño, rosmaba, mas se se pasaban con as culleradas, tamén rosmaba, porque o encontraba forte demais. Se os cortesáns non lle toda a prestaban atención, rosmaba. Se os cortesáns, en contraste, lle prestaban demasiada atención, entón ela pensaba que a estaban a adular demais e tamén rosmaba, até rosmaba mais.
       Cando miúda, comezou a rosmar cada vez que algo lle desagradaba. Porén, como ninguén detivo aquel seu costume horríbel, a Lidia acostumouse a rosmar e berrar para conseguir todo. Cando grande, xa tiña moita voz, porque desenvolvera moito ben os seus pulmóns –ademais, facía natación e canto coral–, polo que, así que abría a boca, toda a corte comezaba a tremer.
       Até aquel día. Todo comezou cando o novo xardineiro do palacio acudiu á presenza da princesa con unha ducia de caraveis. A Lidia sempre recibía rosas, mais daquela eran caraveis que lle traían, todos ben colocadiños nun vaso. Aí foi o momento en que a Lidia rosmou e berrou. Porén, o xardineiro permaneceu de fronte a ela, a sorrir, como se mal soprase unha brisiña que lle remexese o floco. Houbo uns instantes de silencio. A princesa non daba comprendido como os seus berros non tiñan efecto. Era a primeira vez que tal cousa lle acontecía. E até unha terceira vez rosmou e berrou a princesa Lidia, mais non valeu de nada. Ficou a arfar, cos ollos como pratos, mentres o xardineiro non deixaba de sorrir.
       – Princesa, até mañá. Gozade dos caraveis. Mañá de mañá heivos traer petunias.
       A princesa quixo entón rosmar, porque non gustaba de petunias, mais de certo non lle quedaba ar nos pulmóns para continuar a rosmar.
       Aquele episodio foi difundido por toda a corte inmediatamente. Ben logo, todos os cortesáns sabían o que acontecera e foron preguntar ao xardineiro cal era a dica para non ficar xordo diante da princesa.
       – Cal é o segredo? –preguntáronlle.
       – Aguantar a respiración?
       – Contar de 19 até 1 só cos impares?
       – Imaxinar que me caen as orellas?
       O xardineiro sorría.
       – Nada diso –dixo ao cabo–. Chega con pór estas boliñas de algodón nas orellas. Vedes? É moi simple. Así.
       E deu boliñas de algodón que el mesmo cultivaba no xardín aos cortesáns que había ao seu redor.
       – Escoitades algo? –preguntou o xardineiro.
       – Eh?
       – Eh?
       – Eh?
       E así até trinta.
       No día seguinte, a camareira trouxo o zume de laranxa acedo demais. A princesa rosmou, mas a camareira continuou a sorrir, como se non tivese escoitado. A princesa tomou o zume porque non lle quedaba outra.
       Despois, cando foi vestirse, un dos zapatos mancoulle. Aí rosmou de novo. Mas a sua asistente apenas sorría. A princesa optou por pór uns tênis para ir mais cómoda.
     A seguir foi tomar café no salón, que era onde os cortesáns acudían para teren faladoiro. Estrañouse que todos falasen aos berros, como se non se escoitasen ben. Até os camareiros berraban, que horror. Aí a princesa Lidia berrou, berrou moito, berrou como nunca berrara antes, mas pareceu inútil, porque ninguén lle prestou atención. A princesa pensou que, se cadra, se tornara invisíbel.
      Mas o peor para ela non foi iso, o peor foi que, despois de berrar como nunca durante dez minutos, quedou sen voz. Quedou afónica.
       – Princesa, acontécevos algo? ––preguntábanlle.
       Porén, ela mal emitía uns sons guturais.
       Entón voltou o xardineiro. Levaba un frasco con un líquido amarelo e unha culler.
       – Princesa, catade isto.
       Ela non quería. Ia berrar, para iso abriu a boca, sen se lembrar de que perdera a voz. Mais o xardineiro andou rápido e meteulle unha cullerada na boca aproveitando a tentativa de rosmar.
       Glup! Foi todo para dentro.
       – Está bo. O que é isto? –preguntou a princesa.
       – Recuperastes a voz!! –dixeron axiña os cortesáns.
       – É verdade. Mais que é isto que me deches, xardineiro?
      – Isto é unha receita secreta da miña avoa. Só vos podo dicir que leva mel, xelea, polen e outros ingredientes, todos naturais... bo, e unhas pinguiñas de zume de limón.
       Todos pensaron que a princesa ía agradecer ao xardineiro que a curase, mais enganáronse. A reacción dela foi ben diferente:
        – Que lle corten a cabeza!
       Por desgraza para o xardineiro, a princesa lera recentemente a historia de Alicia, onde a raíña malandra manda cortar a cabeza de todos os que a incomodan ou importunan.
       E así, preparouse un cadafalso no patio real. Acudiu toda a corte, suspirando de pena por perderen un xardineiro tán curriño.
       A princesa mexeu a man e deu orde ao verdugo de deixar caer o machado sobre a cabeza do xardineiro, o cal estaba axeonllado sobre o cadafalso, coa cabeza sobre un toro de madeira. Diante del había un cestiño que recollería a cabeza separada do pescozo.
       O verdugo, a pesar do moito que lle desagradaba o seu oficio, obedeceu. Plum! Bateu con o gume do machado no pescozo daquel infeliz... mais non saíu sangue. A cabeza caeu no cesto e despois comezou a flutuar polos ares, encanto todos ollaban pasmos a cena. Ninguén ficou a saber que se trataba dunha cabeza falsa, un balón  recheo de helio que, ao ficar solto, voou polos ares.
       Entre tanto, o xardineiro ergueuse, coas mans amarradas por atrás e tranquilamente comezou a descender os degraos do cadafalso. A xente estaba horrorizada, porque ninguén esperaba ver un corpo camiñar todo tranquilo sen cabeza. Ademais, parecía que, a pesar de non ter cabeza, vía, porque non se tropezaba con nada. Por riba, desamarrou as mans como se nada e chegou ao pé do palco onde estaba a princesa, que ollaba para el tan asustada coma o resto dos cortesáns.
       – Princesa, tiven moita paciencia convosco –dixo o xardineiro, cuxa voz soaba totalmente normal–. Agora heivos aprender unha lección...
       Nese momento, a cabeza do xardineiro saíu do pescozo da camisa. Estaba enteira. Despois, colleu un frasquiño con pétalas roxas secas, de non se sabe que flor, pulverizounas coa man e a seguir soprou o po de pétalas para a princesa. Ela non puido evitalo. Respirou o po e despois tusiu, tusiu moito. Cando conseguiu parar, quixo berrar que detivesen o xardineiro, mas a súa voz soou como música de arpa, harmoniosa e envolvente...
       Todos os cortesáns aplaudiron. A princesa non notaba que a súa voz soaba como o son da arpa por iso daba comandos e mais comandos, mas toda a xente ouvía a arpa e pensaban que estaba a dar un concerto e continuaban a aplaudir cheos de entusiasmo.
       O xardineiro, pola súa parte, facía inclinacións para o público, como se fose o director dunha orquestra, o cal anoxaba aínda mais a princesa, que pedía que lle cortasen de novo a cabeza e os brazos e as pernas e todo canto puider ser cortado, mais ninguén a entendía.
       Despois daquel día, ninguén viu mais nunca o xardineiro. Desapareceu. Porén, todos viviron moi tranquilos no reino, pois a princesa Lidia pasaba todo o día a dar concertos polo palacio, coa súa melodiosa voz de arpa.

*   *   *

       Era uma vez um reino remoto onde a herdeira do trono era uma princesa chamada Lídia. Mas não era uma princesa qualquer, era uma princesa que toda a gente conhecia por uma caraterística muito especial: era uma princesa resmungona.
       Era a princesa que mais resmungava no mundo. De facto, passava todo o dia a resmungar. Cada vez que se topava com algo de que não gostava, resmungava. Se lhe serviam frango com ervilhas, resmungava, porque ela gostava de frango e de ervilhas, mas por separado. Se lhe serviam o cacau fraquinho, resmungava, mas se se passavam com as colheradas, também resmungava, porque o encontrava forte demais. Se os cortesãos não lhe prestavam toda a atenção, resmungava. Se os cortesãos, em contraste, lhe prestavam demasiada atenção, então ela pensava que a estavam a adular demais e também resmungava, até resmungava mais.
       Em miúda, começou a resmungar cada vez que algo lhe desagradava. Porém, como ninguém deteve aquele seu costume horrível, a Lídia acostumou-se a resmungar e berrar para conseguir tudo. Em grande, já tinha muita voz, porque desenvolvera muito bem os seus pulmões –aliás, fazia natação e canto coral–, pelo que, assim que abria a boca, toda a corte começava a tremer.
       Até aquele dia. Tudo começou quando o novo jardineiro do palácio acudiu à presença da princesa com uma dúzia de cravos. A Lídia sempre recebia rosas, mas daquela eram cravos que lhe traziam, todos bem colocadinhos num vaso. Aí foi o momento em que a Lídia resmungou e berrou. Porém, o jardineiro permaneceu enfrente dela, a sorrir, como se mal soprasse uma brisinha que lhe remexesse a franja. Houve uns instantes de silêncio. A princesa não conseguia compreender como os seus berros não tinham efeito. Era a primeira vez que tal coisa lhe acontecia. E até uma terceira vez resmungou e berrou a princesa Lídia, mas não valeu de nada. Ficou a arfar, com os olhos como pratos, enquanto o jardineiro não deixava de sorrir.
       – Princesa, até amanhã. Gozai dos cravos. Amanhã de manhã vou-vos trazer petúnias.
       A princesa quis então resmungar, porque não gostava de petúnias, mas decerto não lhe ficava ar nos pulmões para continuar a resmungar.
       Aquele episódio foi difundido por toda a corte imediatamente. Bem logo, todos os cortesãos sabiam o que acontecera e foram perguntar ao jardineiro qual era a dica para não ficar surdo enfrente da princesa.
       – Qual é o segredo? –perguntaram-lhe.
       – Aguentar a respiração?
       – Contar de 19 até 1 só com os ímpares?
       – Imaginar que me caem as orelhas?
       O jardineiro sorria.
       – Nada disso –disse por fim–. Chega com pôr estas bolinhas de algodão nas orelhas. Vedes? É muito simples. Assim.
       E deu bolinhas de algodão que ele mesmo cultivava no jardim aos cortesãos que havia ao seu redor.
       – Escutais algo? ––perguntou o jardineiro.
       – Eh?
       – Eh?
       – Eh?
       E assim até trinta.
       No dia seguinte, a camareira trouxe o sumo de laranja azedo demais. A princesa resmungou, mas a camareira continuou a sorrir, como se não tivesse escutado. A princesa tomou o sumo porque não lhe ficava outra.
       Depois, quando foi vestir-se, um dos sapatos fez-lhe mal. Aí resmungou de novo. Mas a sua assistente apenas sorria. A princesa optou por pôr uns tênis para ir mais cómoda.
       A seguir foi tomar café no salão, que era onde os cortesãos acudiam para terem tertúlia. Estranhou-se que todos falassem aos berros, como se não se escutassem bem. Até os camareiros berravam, que horror. Aí a princesa Lídia berrou, berrou muito, berrou como nunca berrara antes, mas pareceu inútil, porque ninguém lhe prestou atenção. A princesa pensou que, se calhar, se tornara invisível.
       Mas o pior para ela não foi isso, o pior foi que, depois de berrar como nunca durante dez minutos, quedou sem voz. Quedou afónica.
       – Princesa, acontece-vos algo? –perguntavam-lhe.
       Porém, ela mal emitia uns sonzinhos guturais.
       Então voltou o jardineiro. Levava um frasco com um líquido amarelo e uma colher.
       – Princesa, provai isto.
       Ela não queria. Ia berrar, para isso abriu a boca, sem se lembrar de que perdera a voz. Mas o jardineiro andou rápido e meteu-lhe uma colherada na boca aproveitando a tentativa de resmungar.
       Glup! Foi tudo para dentro.
       – Está muito bom. O que é isto? –preguntou a princesa.
       – Recuperastes a voz!! –disseram logo os cortesãos.
       – É verdade. Mas o que é isto que me deste, jardineiro?
       – Isto é uma receita secreta da minha avó. Só vos posso dizer que tem mel, geleia, pólen e outros ingredientes, todos naturais... bom, e umas pinguinhas de sumo de limão.
       Todos pensaram que a princesa ia agradecer ao jardineiro que a curasse, mas enganaram-se. A reação dela foi bem diferente:
       – Que lhe cortem a cabeça!
       Por desgraça para o jardineiro, a princesa lera recentemente a história de Alice, onde a rainha malandra manda cortar a cabeça de todos os que a incomodam ou importunam.
       E assim, preparou-se um cadafalso no pátio real. Acudiu toda a corte, suspirando de pena por perderem um jardineiro tão porreiro.
       A princesa mexeu a mão e deu ordem ao verdugo de deixar cair o machado sobre a cabeça do jardineiro, o qual estava ajoelhado sobre o cadafalso, com a cabeça sobre um toro de madeira. Diante dele havia um cestinho que recolheria a cabeça separada do pescoço.
       O verdugo, apesar do muito que lhe desagradava o seu ofício, obedeceu. Plum! Bateu com o gume do machado no pescoço daquele infeliz... mas não saiu sangue. A cabeça caiu no cesto e depois começou a flutuar pelos ares, enquanto todos olhavam surpreendidos a cena. Ninguém ficou a saber que se tratava duma cabeça falsa, um balão  recheio de hélio que, ao ficar solto, voou pelos ares.
       Entretanto, o jardineiro ergueu-se, com as mãos amarradas por trás e tranquilamente começou a descer os degraus do cadafalso. A gente estava horrorizada, porque ninguém esperava ver um corpo caminhar todo tranquilo sem cabeça. Aliás, parecia que apesar de não ter cabeça, via, porque não se tropeçava com nada. Por cima, desamarrou as mãos como se nada e chegou ao pé do palco onde estava a princesa, que olhava para ele tão assustada como o resto dos cortesãos.
       – Princesa, tive muita paciência convosco –disse o jardineiro, cuja voz soava totalmente normal–. Agora vou-vos ensinar uma lição...
       Nesse momento, a cabeça do jardineiro saiu do pescoço da camisa. Estava inteira. Depois, pegou num frasquinho com pétalas roxas secas, de não se sabe que flor, pulverizou-as com a mão e a seguir soprou o pó de pétalas para a princesa. Ela não pôde evitá-lo. Respirou o pó e depois tossiu, tossiu muito. Quando conseguiu parar, quis gritar que detivessem o jardineiro, mas a sua voz soou como música de harpa, harmoniosa e envolvente...
       Todos os cortesãos aplaudiram. A princesa não notava que a sua voz soava como o som da harpa, por isso dava comandos e mais comandos, mas toda a gente ouvia a harpa e pensavam que estava a dar um concerto.
       O jardineiro, pela sua parte, fazia inclinações para o público, como se fosse o diretor de uma orquestra, o qual anojava ainda mais a princesa, que pedia que lhe cortassem de novo a cabeça e os braços e as pernas e tudo quanto puder ser cortado, mas ninguém a entendia. Porém, todos continuavam a aplaudir com entusiasmo.
       Depois daquele dia, ninguém viu mais nunca o jardineiro. Desapareceu. Porém, todos viveram muito tranquilos no reino, pois a princesa Lídia passava todo o dia a dar concertos pelo palácio, com a sua melodiosa voz de harpa.

© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Imagem: Valadouro