domingo, fevereiro 28, 2010

A burbulla [+12 anos].- XFC


Dedicado à miña filla Laura

    Cada vez que a Homeriño lle dicían que non debía facer algo, el facíao.
    Gustáballe sempre face-lo contrario do que lle dicían. Mais co que máis gozaba o rapaz era provocando a xente.
    Se o papá estaba a falar por teléfono, el púñase a bailar coma un parvo diante del até que ao papá lle entraba un ataque de riso.
    Ou se a mestra comezaba a explica-los verbos ingleses, escribíndoos no encerado, el subía enriba da mesa e facía a danza do ventre para os compañeiros. Mais normalmente pillábano coa camiseta erguida a mostra-lo embigo.
    Levaba así once anos da súa vida e probabelmente seguiría a face-las mesmas cousas o resto da súa existencia.
    Até aquel día.
    Si, aquel día todo mudou na vida de Homero Silva, máis coñecido como Homeriño.
    Todo mudou porque fixo o que sempre facía: o que quería.
    Foi cedo de mañá. Chegara un paquete para o pai. Por fóra dicía: «Non abrir, fráxil».
    Loxicamente, Homeriño, fiel aos seus costumes, fixo o contrario do que puña no paquete, isto é, abriuno.
    E unha volta aberto, viu que se trataba dunha garrafiña escura que non deixaba ve-lo contido do interior. Na garrafiña había un carteliño que dicía: «Non beber, produto tóxico».
    O Homeriño non sabía que demos significaba «tóxico», mais si sabía que a el ninguén lle daba ordes, menos aínda unha etiqueta dunha garrafiña.
    Por iso, quitou a rolla da garrafiña e uliscou.
    O cheiro que saía non era desagradábel, ao contrario. E até daba a sensación de que era doce.
    E catou o líquido do interior.
    Delicioso.
    Era sinxelamente delicioso.
    Mesmo lembráballe lixeiramente o sabor dun certo refresco de cola que poucas veces cataba porque a mai lle dicía que, con tanta burbulla, lle causaba problemas intestinais.
    As mais, sempre as mais, unhas máquinas de enfastiar, de dar ordes estúpidas e de obrigar a muda-la roupa interior todos os días, como se non abondase con muda-la cando xa adquire outra cor.
    A cousa é que aquel líquido tiña un sabor espléndido.
    Aos poucos, Homeriño xa dera uns cantos grolos e aínda relambía os beizos de puro gusto.
    E de súpeto, un arroto.
    E co arroto, unha burbulla enorme que lle saíu pola boca.
    Nunca tal vira o Homeriño. Parecía que bebera medio litro de deterxente e coa dixestión o xabón se comportase como no centrifugado da lavadora.
    De facto, o estómago do Homeriño comezou a facer ruídos ben estraños.
    Si, si, aquilo parecíase moito ao centrifugado da lavadora.
    E entón, veulle outro arroto.
    E con el, outra burbulla, aínda máis grande, do tamaño dun deses balóns de praia xigantes.
    E outro arroto coa súa burbulla, aínda meirande.
    O Homeriño tentou daquela mante-la boca fechada, para as burbullas non lle saíren, porque o peor de todo é que estaban a quedar no teito da casa. Mais por sorte abondaba espetarlles unha agulla e estoupaban.
Porén, en calquera momento podían volve-lo pai ou a mai e cando visen aquel espectáculo, non ían quedar tan contentos.
    O propio rapaz estaba daquela asustado, o cal era ben complicado.
    Entrementres, as burbullas loitaban por seguir a saír.
    Como o Homeriño non lles permitía a saída cos arroutos, procuraron outro camiño: o nariz.
    Pouco a pouco, unha burbulla foi saíndo polo buraco do nariz esquerdo. Axiña ocupou todo o espazo que había diante dos ollos do Homeriño até que este non viu nada.
    Era desesperante.
    Mais foi peor cando o Homeriño, despois de a burbulla saír aboiando para o teito do salón, se decatou de que diante del estaban a mai e mais o pai.
    Os dous xuntos.
    Qué má sorte.
    E non sabía como ía explicar aquilo.
   O Homeriño aínda tentou evita-lo inevitábel tupindo os buracos do nariz, mais a seguinte burbulla –e que non remataban nunca aquelas malditas?– comezou a lle saír pola orella dereita.
    Os pais ollaron completamente abraiados para o fillo, sen daren creto ao que vían.
    O Homeriño, ás apalpadelas –as burbullas eran cada vez maiores e cando saían corríanlle polo rostro– conseguiu atopa-la garrafiña de que bebera e mostrouna ao pai.
    O pai largou un berro de non se sabe ben que, mais soou feo de máis, como unha mestura entre ameaza, desesperación, dor de moas e desgusto cando ao equipo local lle cravan un gol.
    O pai do Homeriño era farmacéutico e traballaba con produtos estraños. Normalmente non traía nada para a casa, mais daquela enviáranlle uns produtos ao domicilio porque no laboratorio estaban de vacacións.
    E o resultado daquilo, xa o coñecedes.
    Se chega a ser outra cousa, talvez o Homeriño agora iría aboiando, teríase tornado verde ou tería poutas de oso, quen sabe.
    De calquera maneira, os pais falaron rapidamente entre eles e decidiron que habían leva-lo fillo ao hospital.
Foi complicado chegaren até o Homeriño, porque con tantísimas burbullas a lle saíren pola boca, polo nariz e polas orellas ¬–saíanlle xa sen parar e por todos os buracos– non podían alcanzalo e todo soaba ‘plop’, ‘plop’, ‘plop’ cada vez que as burbullas estoupaban.
    Mais as cousas estaban máis complicadas do que parecían.
    Os pais do Homeriño tiñan o auto a reparar.
    Tiveron que parar un taxi.
    Cando o taxista viu aquel neno botar burbullas do tamaño de pneumáticos de guindastre pola boca, os narices e mais as orellas, pensou que se trataba dunha brincadeira desas que fan a xente da televisión.
    Por iso aceptou levar aquela familia tan simpática.
    Mais cando lle dixeron que ían ao hospital, que deixaban as xanelas do auto abertas para as burbullas saíren, daquela o taxista pensou que talvez non fora unha boa idea coller aquel pasaxeiros.
    Da que ían polas rúas da cidade, do taxi saían burbullas e burbullas e burbullas e burbullas.
    Unha fila de autos ía tras o taxi.
    A xente estaba fascinada con aquel espectáculo. Parecía un desfile do Antroido, mais sen ser aínda tempo de Antroido.
    O Homeriño quería dicir algo, mais non podía, porque todo eran burbullas e burbullas.
    Sentíase tan desgraciado.
    Nin sequera ouvía o que se falaba arredor del.
    Finalmente chegaron ao hospital.
    O coitado do Homeriño nin sequera sentiu os aplausos da xente, que pensaran que se trataba dunha campaña publicitaria dalgunha marca descoñecida.
    Todos estaban encantados con aqueles efectos especiais das burbullas a saíren sen parar, primeiro do taxi e despois da boca, o nariz e mais as orellas do neno.
    O doutor que foi atende-lo Homeriño abriuse paso entre as burbullas –que xa daquela ocupaban toda unha sala– espetándoas coa punta dun lapis moi afiado.
    Tiña na mente un protocolo moi completo cheo de preguntas e con palpacións do paciente por todas as partes até descubrir as causas daquela doenza estraña.
    Mais non estaba só. Na porta estaban apeteirados unha morea de doutores á espreita daquel fenómeno.
    Porque o Homeriño era xa un fenómeno da natureza. Mesmo uns xornalistas do National Geographic xa estaban fóra á espera do neno para facer unha reportaxe con el.
    O doutor, entrementres, ía abríndose camiño entre aquela xungla de burbullas e estaba a piques de chegar ao bandullo do Homeriño, onde el coidaba que comezaba todo aquel problema.
    E de repente…
    … ningún ‘blup’ máis.
    … ningunha burbulla máis.
    Todo cesou.
    Houbo un silencio sepulcral na sala do hospital.
    Foi un silencio moi longo, ninguén ousaba abri-la boca (entre outras cousas porque as burbullas aínda andaban por alí e podían escoarlle a alguén).
    Foi o pai quen finalmente dixo o que acontecera:
    – O efecto da beberaxe que o meu fillo tomara xa pasou. Por iso cesaron as burbullas.
    Tiña que ser iso.
    De camiño para a casa, o Homeriño sabía que lle esperaba unha boa rifa.
    Os pais calaban ao seu lado. Non querían monta-lo escándalo diante do taxista que os levaba para a casa. Eles esperaban, porén, que o neno tivese aprendido a lección, porque a única maneira de aprender algo, principalmente no caso de nenos coma o Homeriño, era tendo experiencias fortes.
    Mais non.
    O Homeriño é dos que nunca aprenden unha lección.
    Ou mellor si, si aprendeu a lección, mais aprendeu a lección errada.
    O primeiro que fixo cando chegou á casa foi facer desaparece-la garrafa de que bebera uns grolos para despois levala á escola ás escondidas ao outro día.
    E a hora do almorzo foi apoteótica.
    Todos os alumnos e profesores da escola comezaron a botar burbullas como loucos.
    O Homeriño mesturara o líquido en cuestión coa auga das xerras e ademais engadira bicarbonato para multiplica-los efectos…
    Por iso a vida do Homeriño mudara
    Quen pararía desde aquela o Homeriño?

© Xavier Frías Conde
All rights reserved worldwide

quinta-feira, fevereiro 18, 2010

A chinela velha [+8 anos] .- XFC



    O Xico ia para sua casa como sempre: a dar pontapés nas pedras, navegando por cima das poças e contando moscas.
    Sempre que ele saía da escola acontecia a mesma coisa. Com tantos passatempos, demorava muito para chegar até a casa.
    Ao porteiro sempre contava as mesmas desculpas engraçadas. Disse-lhe um dia:
    – Hoje por diante da porta da passou uma cavalgada de hipopótamos e tivemos que esperar até passarem.
    Outro dia:
    – Retiraram a rua para limpá-la e tivemos que esperar até a porem outra vez.
    E mesmo:
    – Alguém mudou a porta de saída e aparecemos todos em Tóquio. Foi complicado voltarmos...
    O porteiro, o Senhor Flores, não acreditava uma palavra do que o garoto contava, mas apontava todas as escusas numa caderneta para depois contá-las ao seu neto, que ria muito com aquelas ideias.
    Mas houve um dia que foi diferente de tudo do resto dos dias. Após ter contado dez moscas e atravessado sete poças, desde os céus caiu-lhe algo na cabeça.
    Não havia rasto nenhum de quem tinha feito aquilo.
    Depois olhou para o chão e comprovou o que é que lhe tinha caído na cabeça: era uma chinela velha e meio descomposta, que cheirava como um queijo podre.
    A chinela era muito feia, mas o Xico gostou dela. Recolheu-a do chão e pensou que aquele estranho objeto seria um ótimo amuleto. Estava certo de que lhe daria boa sorte.
    – Olha, mamãe – gritou o rapaz enquanto entrou em casa–. Olha o que encontrei no meio da rua. É um tesouro, acredita.
    E então mostrou-lhe a chinela.
    A mãe pôs os dedos no nariz porque não aturava aquele fedor. Depois ordenou:
    – Atira isso ao lixo!
    – Mas é o meu novo amuleto. É que não gostas dele?
    Com certeza, a mãe não gostava nem um bocadinho do novo amuleto.
    O Xico foi à cozinha, mas não deixou a chinela no lixo, porque ele tinha a certeza de que aquele era um objeto mágico que lhe daria boa sorte.
    No dia seguinte, o Xico foi para a escola. E fez o que fazia sempre: atravessar poças, contar moscas e dar bons pontapés às pedras.
    Entre a novena e a décima moscas, entre a duodécima e o décimo terço pontapé, viu no chão uma nota de cinquenta euros. Estava sozinho, completamente abandonado, morto de frio, coitado.
    – Que sorte tive – exclamou o rapaz –. Com certeza é a boa sorte que me dá a chinela.
    Um bocadinho mais para a frente viu uma folha de papel a voar pelos ares na sua direção. A folha acabou no seu rosto.
    O Xico pegou nela e viu que se tratava dos exercícios daquela mesma manhã para a escola... E estavam todos resolvidos!
    Mas a coisa não acabou lá. Uns minutos depois foi parado por um senhor que tinha aspecto de maluco.   Levava um microfone na mão e tinha o sorriso mais grande que o Xico tinha visto em toda a sua vida. Ao seu lado ficava um tipo com uma câmara de televisão que gravava tudo.
    O fulano do microfone perguntou ao Xico:
    – Sabes como é que se chama a capital da Arábia Saudita?
    De facto o Xico nem escutara a pergunta. Estava a pensar na resposta de um exercício que começava dizendo: “a mecânica...” Por isso, involuntariamente, disse:
    – A meca...
    – Com efeito! – interrompeu o indivíduo com aspecto de maluco –. Trata-se d’A Meca. A capital da Arábia Saudita é A Meca! Ganhaste um prémio para duas pessoas e um cão a Los Angeles.
    – A Los Angeles em California?
    – Não, a Los Angeles Camping, que fica a vinte quilómetros daqui, porque nós somos uma estação de televisão muito humilde – explicou o maluquinho.
    Depois daquilo, o Xico continuou o seu caminho para casa, mas antes de chegar, ainda lhe aconteceu algo curioso.
    Tudo começou quando deu um pontapé a uma pedra no chão, como fazia tantas vezes durante o dia. Mas aquela saiu disparada como um projétil e bateu na têmpora de um ladrão armado com uma fuzil, que estava a assaltar um pobre senhor numa ruela escura.
    O ladrão caiu no chão imóvel. E logo cresceu-lhe um vultinho engraçado no ponto exato onde foi batido pela pedra.
    A vítima do assalto estava tão contente que deu ao Xico duzentos euros e um saquinho de caramelos de goma como sinal de agradecimento por ser salvado.
    O Xico já não tinha dúvida de que aquela chinela lhe dava boa sorte.
    Talvez era mesmo mágica.
    Quando chegou a sua casa, contou todas as novidades à sua mãe.
    – Isso é apenas casualidade. Mas pelo que estou a ver, ainda conservas essa porcaria de chinela. Atira-a já que cheira a demos!
    A mãe tentou apanhar a chinela da mão do Xico, mas o filho foi mais rápido e escapou para a rua. Correu para fora da cidade, queria comprovar se ainda podiam acontecer mais coisas extraordinárias.
    Mas durante o resto da tarde, já não aconteceu. Parecia que a chinela já não funcionava.
    Estaria doente? Ou acontecer-lhe-ia como a lâmpada do Aladino que apenas podia cumprir três desejos e depois parava de funcionar?
    O Xico olhou para a chinela pela traseira e pelos lados, mas não viu nada estranho, para além de que estava meio desfeita. Não compreendia o que lhe podia acontecer.
    E então aproximou-se dele um velhote com face de lunático, vesgo e sem barbear com uma boina em forma de pirámide.
    Caminhava descalço dum pé. Quando esteve ao lado do Xico, pegou na chinela da mão do rapaz sem pedir permissão e calçou-a no pé descalço.
    Via-se que aquela chinela velha era a irmã da outra que levava o velhote.
    – Obrigado por ma guardares – disse o homem ao Xico.
    – Então, é sua?
    – É. Caiu-me desde a varanda.
    – Mas não funciona muito bem, não sabe?
    – Pronto – respondeu o velhote a sorrir–. Tens que recarregar a sua energia. Ela funciona com a energia que produz o cheiro dos pés. Não vês que já não cheira? Tinhas que recarregá-la...
    E depois das explicações, o velhote foi embora pelo mesmo caminho que tinha chegado.
    O Xico ficou a olhar para ele um bocadinho apenado.
    Decidiu voltar para casa. Mas de repente tropeçou com algo que sobressaia no chão. Tratava-se de um tubo metálico.
    Teve um pressentimento.
    Começou a escavar no chão até que descobriu que se tratava de uma velha azeiteira. Servia para engraxar as máquinas de coser.
    O Xico estava seguro que aquela era uma azeiteira mágica, a versão moderna das lâmpadas mágicas do deserto, que concediam desejos...
    Por isso, sem demora, começou a esfregar nela por um lado e...

 © Xavier Frías Conde, 1994
All rights reserved worldwide

domingo, fevereiro 07, 2010

No meio do deserto australiano [+12 anos].- XFC



    Aquela noite houve uma terrível tormenta de areia naquela parte do deserto ocidental. Os relâmpagos deixavam-se ver através das nuvens de pó.
    Nenhum dos habitantes da aldeia de Kingston abriu as janelas durante toda a noite para ver qual a força da tormenta. Não era preciso.
    Durante toda a noite, o vento zoou sem parar e os relâmpagos caíram ciclicamente. Era, provavelmente, a pior tormenta seca dos últimos sessenta ou setenta anos naquela parte do deserto.
    Aos poucos, enquanto saía o sol, a tormenta diluía-se como um pedaço de açúcar num copo de água. O disco vermelho que assomava pelo horizonte deixou ver o resultado de toda uma noite de violência da natureza. As dunas estavam todas deslocadas, a barreira de rochas com que os habitantes de Kingston costumavam proteger-se das tormentas de areia estava quase oculta por um lado, mas felizmente tinha aguentado. 
    Os primeiros habitantes da aldeia saíram de manhã para fazer a sua vida rotineira. E então encontraram aquilo.
    Aquilo, sim.
    Tratava-se da última coisa que ninguém encontraria no meio do deserto da Austrália, a uma distância de quinhentos quilómetros da costa.
    Era um barco. Um enorme e imenso barco que ficava no meio do planalto que ficava a meio quilómetro da aldeia. Via-se perfeitamente desde praticamente qualquer morada da aldeia, na zona mais árida de toda a região.
    Pouco a pouco os habitantes de Kingston conheceram o mistério que se alçava a poucos metros das suas casas. No início ninguém quis acostar-se, tinham medo. Naquela região as pessoas acreditavam em mitos e lendas ancestrais.
    Também não podiam ligar para as autoridades, porque por causa da tormenta a linha telefónica ficara interrompida. Provavelmente não seria reparada em duas semanas, até as autoridades da capital verificarem que não podiam contatar com o presidente da câmara municipal.
    Mas por cima do medo está a curiosidade. Os habitantes de aldeia começaram a se achegar do barco, mas sempre mantendo uma distância prudente, sem chegar a estar em contato com ele. Aparentemente estava abandonado e ninguém tinha coisas mais importantes que fazer naquele dia do que ter alguma história interessante para contar aos seus netos, porque de fato, em Kingston nunca acontecia nada, nada para além das tormentas de areia que obrigavam os cidadãos a ficar fechados em suas casas.
    Puderam comprovar que se tratava de um barco de ferro, mas não era um barco demasiado atual. Pelo aspeto – era um juízo de um vizinho que cinquenta anos atrás tinha trabalhado no cais de Melbourne –, parecia uma nave do início do século XX, ou mesmo mais antiga.
    A partir daquele momento, o barco concentrou absolutamente o interesse de toda a aldeia, que contava uns duzentos habitantes. Todos eles falavam de como um barco de cem anos de antiguidade ou mais podia ter chegado até aquela planície tão afastada do mar.
    Era um grande mistério. E logo alguém comentou aos seus vizinhos:
    – Se descobrem que temos este barco aqui, isto estará cheio de turistas...
    Isso era bom ou mau?
    Durante umas horas, os vizinhos discutiram sobre a questão em assembleia,  esquecendo por um tempinho a presença do barco. A aldeia estava dividida. Uma metade queria que a aparição do barco fosse um segredo, enquanto a outra metade queria que todo o país soubesse o que lá tinha acontecido, porque precisamente o turismo daria nova vida à aldeia.
    – Eu não quero turistas – dizia um dos mais anciãos da aldeia–. Eu moro aqui muito feliz sem ver pessoas estranhas que quebram a calma do local, com câmaras por toda a parte e perguntando coisas estúpidas.
    – Você deveria ser um bocadinho mais moderno –replicaram ao velhote–. Esta aldeia vai morrer porque não tem nada de interessante que oferecer. Se pelo menos tivéssemos turismo, poderíamos ter perspectivas de futuro, negócios, está a perceber?
    Os habitantes da aldeia discutiram durante um dia, mas quando votaram, ganharam aqueles que não queriam que as pessoas de fora conhecessem a existência daquele estranho barco.
    Mas antes de poderem fazer nada os vizinhos, chegaram à aldeia os funcionários enviados pelo governo para comprovar que a aldeia ainda existia e não desaparecera sob a areia após a tormenta.
    Pronto, e os funcionários descobriram também o barco.
    Como iam explicar os vizinhos da aldeia que tinham a poucos metros da povoação um barco de cem anos de antiguidade no meio do deserto?
    Carnaval. A resposta que deram os vizinhos foi que estavam a preparar o carnaval.
    Os vizinhos explicaram aos funcionários que aquele barco era uma tradição do carnaval que estavam a recuperar. Inventaram uma complexa história acerca de antigas tradições que os primitivos habitantes da aldeia trouxeram do Brasil, não porque eles fossem brasileiros, mas porque chegaram da Inglaterra fazendo uma paragem técnica no Rio do Janeiro e de lá trouxeram o costume do carnaval.
    Os funcionários ficaram pasmados, mas não podiam dizer nada, porque eram um bocadinho ignorantes e não tinham nem tempo, nem vontade de verificar qual era a história real da aldeia de Kingston.
    Mas o mistério ficava lá. E eles ainda não tinham a coragem de se achegar até o mesmo barco, para tocá-lo, para comprovar qual era o seu estado.
    Durante todo o dia, e mesmo durante quase toda a noite, sempre havia vizinhos a olhar para o barco na distância. Assim correram duas semanas sem que houvesse qualquer novidade arredor daquele misterioso barco.
    Até o dia em que um dos cães da aldeia sim chegou até o pé do barco. Vários vizinhos contemplavam a cena com muito interesse. Pouco a pouco o resto dos vizinhos foram concentrando-se para eles também ser testemunhas do que estava a acontecer.
    O cão, alheio de tudo ao interesse dos humanos, chegou até o mesmo barco. E quando esteve lá, fez o que faria qualquer cão nesse caso: xixi.
    O cão fez xixi no casco do barco.
    E não aconteceu nada. O cão voltou para a aldeia a remexer o rabinho muito contente.
    Graças à coragem do cão, os vizinhos começaram a se aproximar do barco. De fato, toda a aldeia foi até o barco naquela manhã de domingo, quando as pessoas não tinham nada que fazer. Até os dois bares da aldeia fecharam porque não tinham clientes e parecia que aquele era um momento histórico que ninguém queria perder.
    O presidente da câmara foi o primeiro que chegou. Ele tinha que ser o exemplo para os seus vizinhos. Na realidade estava morto de medo, mas não ia reconhecê-lo, porque, aliás, aquilo podia custar-lhe não repetir no cargo nas próximas eleições.
    Lentamente, os vizinhos todos colocaram-se arredor do estranho barco em silêncio. Ninguém ousava dizer uma palavra, como se aquele fosse um momento mágico.
    Aqueles que pensavam que se calhar se poderia recuperar a ideia de converter a aldeia de Kingston num destino turístico estavam convencidos de que naquela altura sim convenceriam os vizinhos que tinham dúvidas sobre a questão. Mesmo o presidente da câmara começava a ver o plano com bons olhos, embora fosse cético no início, mas agora via aquilo como uma ocasião para ter uma carreira política além daquela aldeia perdida.
    Todos contemplavam aquele casco estranho, tão bem conservado durante décadas, talvez durante mais dum século, que até então tinha estado enterrado baixo a areia daquele imenso deserto.
    E foi o presidente da câmara que estendeu a mão para tocar o barco. Queria averiguar como seria o tacto daquele metal avermelhado
    Justo naquele momento, quando os dedos do presidente da câmara tocavam o casco, eles afundiram nele, no casco...
    – Areia... –conseguiu dizer o presidente da câmara, enquanto uns grãos fugiam por baixo dos seus dedos.
    Foi uma coisa imprevisível. Assim que o presidente introduziu a mão no casco, aquela massa de areia começou a desmoronar-se lentamente, desde o topo, como se fosse um castelo de areia, mas dum tamanho gigante.
    Os habitantes da aldeia tiveram tempo de correr de volta para a aldeia. A queda daquele monte de areia foi lento, mas o barco foi-se desfazendo, caindo para o chão, até se converter numa montanha de areia. Desapareceram todos os pormenores do barco, a torre de controlo, as antenas, os cabos, absolutamente todo. Em questão de cinco minutos ficou tudo reduzido a uma montanha de areia, a uma duna amorfa.
    Pouco depois, soprou o vento. Não era uma tormenta, mas um ventinho forte que em poucas horas deixou a planície como estava duas semanas atrás, antes da tormenta que levantou aquele barco.
    Os vizinhos não podiam acreditar aquilo. Apenas umas fotos demonstravam que, com efeito, diante da sua aldeia tinha havido um barco no meio do deserto, esculpido pelo próprio vento, feito todo ele de areia...

© Xavier Frías Conde
All rights reserved worldwide