sábado, abril 28, 2012

O MISTERIO DA NOVA RAZA DE MONSTRO DOS PEÚGOS [+8 anos]


O asunto era así: cada vez que dous peúgos entraban na lavadora para lavar, só saía un. Era indiferente que o peúgo sobrevivinte fose o dereito ou o esquerdo, pois sistematicamente só saía un.

Ante tal misterio, a señora Xulia mandou chamar a especialista en fenómenos estraños do concello. Acudiu axiña. Chamábase Bibiana García e era capaz de descifrar calquera misterio doméstico que tivese relación con seres estraños.

Bibiana García montou unha serie de sensores arredor da lavadora e fixo probas de todo xénero. Trouxo peúgos para facer expermientos de todas as cores e tamaños e até probou con luvas, que tamén van a pares. As luvas sufriron o mesmo efecto que os peúgos, sempre desaparecía unha.

Porén, a criatura en cuestión non aparecía. Estaba alí, sen dúbida, mais non era localizable nin coa última tecnoloxía en detección de criaturas estrañas. A hipótese que lanzou Bibiana García foi que se trataba dunha  mutación de monstro dos peúgos que resultaba invisíbel e indetectábel a toda aquela morea de aparellos ultrasensíbeis. A especialista do concello partillou as súas experiencias con colegas de todo o país e todos concordaron que se trataba dunha mutación do monstro dos peúgos común.

O concello agasallou unha lavadora nova á señora Xulia e levaron a vella ao laboratorio para continuar a lle facer probas. Querían descubrir, fose como for, como era aquela nova especie de monstro dos peúgos, ao que lle deron o nome científico de monstruus tibialium imperceptibilis, diferente, xa que logo, do monstruus tibialium domesticus.

Porén, non había xeito de localizalo, de obter unha imaxe del. Seguía a vivir naquela lavadora, porque a cada lavaxe que se facía, un peúgo sempre faltaba. E, de feito, nunca chegaron a descubrilo, para desesperación de Bibiana García e do resto do equipo.

E un bo día, cando a señora da limpeza entrou no laboratorio, atopou os científicos aínda a traballar. A muller dirixiuse a Bibiana García e  preguntoulle:

— E logo, é esta a lavadora que come un peúgo si e outro non?

— Si, señora, mais non incomode agora, que estamos a facer experimentos.

— E non podería ser que fose a propia lavadora que come os peúgos? — pregunotu a muller— . É que a miña lavadora da casa come os calzóns do meu home...

Todos quedaron petrificados. Ningún daqueles científicos chegara a pensar que non se tratase dun monstro dos peúgos diferente, senón que, sinxelamente, fose a propia lavadora a que comía un de cada dous peúgos, porque tamén ela tiña fame e era unha lambona dos peúgos impares. Se cadra, cada lavadora tiña os seus propios gustos.

© Frantz Ferentz, 2012

O CAZADOR E A LEBRE [+14 anos]


O cazador, ben equipado cunha espingarda de dous canóns, acazapouse tras unha rocha e dispúxose a disparar á lebre que, tranquilamente, mordisqueaba unhas herbas a 50 metros del.

Aos poucos foi apertando o gatillo, até que, de súpeto, notou aquel "clic" previo ao disparo.

Mais non houbo disparo.

Non.

Disparo non, houbo outra cousa. Unha cousa difícil de definir, pero imos tentalo. O que ocorreu realmente é que o cazador, ao ir apertar o gatillo, non chegou a disparar, senón que, de súpeto, viu os seus papeis trocados coa lebre.

El mordisqueaba unhas herbas —como podían comer aquela porqueira as lebres, puagh, que noxo—, mentres que a lebre apuntábao a el coa espingarda de dous canóns. O cazador estaba seguro de que aquel animal íalle a disparar, seguro que se vingaría por todos os exemplares da súa especie que el cazara ao longo dos anos.

Mais aí equivocouse. A lebre, por medio de acenos, obrigouno a avanzar ameazándoo coa espingarda até o corazón da fraga, alí onde nunca chegaba ser humano ningún (ao menos polo de agora, aínda que alguén xa se construirá por alí un chaleciño). O home chegou a unha calvela do bosque onde había unha asemblea de animais. De repente, como por encantamento, o home entendeu a linguaxe dos animais.

Unha tartaruga grande como un autobús saíu de entre a multitude e díxolle ao cazador:

— Xa vexo que a lebre te fichou para correr contra min, eh? Di que son unha tramposa, mais é que ela ten mal perder. Imos ver como te portas, humano... Veña, íspete e quita o calzado.

E ao seu ao redor, o cazador oíu o estrondo dos animais a berraren as súas apostas.




© Frantz Ferentz, 2012

segunda-feira, abril 09, 2012

CANDO MARÍA SOPRA AS CANDEAS [+8 anos]



– Feliz aniversario, María. Sopra as candeas...

E María soprou as candeas con todas as súas forzas. E a lapiña que soprou de todas as candeas saíu pola xanela que entón estaba aberta porque ía bo tempo –era abril– e voou polos ares da cidade.
Primeiro pasou por baixo dos ollos dun neno que choraba, mais enxugoulle as bágoas, evaporándollas e facendo un arco da vella que fixo sorrir ao neno.

A lapiña seguiu pola cidade e chegou até unha paisana que, sentada nun banco, buscaba inspiración para un discurso sobre a vida mentres se miraba o embiligo. A lapiña entroulle suavemente polo nariz e fíxolle cóxegas. A paisana espirrou e a lapiña saíu disparada, mais deixoulle dentro un par de ideas para escribir un discurso sobre o valor de mirar para fóra e non para o propio embiligo que xa o temos moi visto.

A lapiña aínda seguiu a voar até chegar à casa dunha anciá que quedara sen mistos e non podía acender o forno para lles facer unha torta aos netos que, xusto nese día, ían visitala porque era, mira que casualidade, o seu aniversario. A lapiña, xa debilitada, meteuse no forno e acendeuno. A velliña puido usar o forno e facer a torta.

Xa a lapiña estaba case exhausta, mais aínda puido volver á casa de María e entrar pola xanela, mentres a María preguntábanlle:

– Pediches un desexo?

– Pedín.

– E cal foi?

– Só desexei que desexar sirva para algo... Mais teño para min que non vale para nada...

Mais enganábase... e moito. Xusto nese momento, a lapiña pousou nunha das candeas da torta e acendeuna. María mirouna asombrada e quedou toda pensativa. Quizais a lapiña...


©Texto:  Frantz Ferentz
© Ilustración: Enrique Carballeira



domingo, abril 08, 2012

O CAVALHEIRO QUE ODIAVA AS PRINCESAS [+10 anos]


– Nunca vou querer casar-me com uma princesa. Dão-me nojo todas... São doidas, melindrosas e nem sabem beijar –disse tudo convencido o cavalheiro Arnoldo Lexicónio, famoso pelas suas façanhas ao longo dos desertos africanos e asiáticos, possuidor do título de maior caçador de dragões da sua época.

Perante aquelas palavras, a sua mãe, que sempre o acompanhava nas suas campanhas, ficou petrificada. A sua mãe era uma mãe dessas que achava que o seu filho sem ela era um inútil e que, portanto, tinha que o acompanhar a toda a parte, como se fosse a sua sombra, porque um cavalheiro andante, por muito valente que for, precisava de alguém que lhe lavasse a roupa, lhe preparasse as refeições e lhe acariciasse a cabeça antes de dormir. Mas ela via-se velha e sabia que, no futuro, o filho haveria de casar com uma princesa –os cavalheiros sempre casam com princesas e chegam a ser reis–, mas aquele filho seu não queria. Como era possível? Onde se vira uma coisa assim?

– Então, meu filho, como podes estar tão seguro que não queres casar com uma princesa? –perguntou cheia de angústia a mãe.

– Mamã, todas as noites sonho que me beija uma princesa e asseguro-te que é a coisa mais nojenta que tenho sentido na vida –respondeu o filho pondo a maior face de nojo que um possa imaginar.

– Mas são apenas sonhos, meu rei –tratou de justificar a mãe.

– Pode que sejam sonhos –disse ele–, mas eu sinto-os muito reais. Sinto uns lábios que se me achegam, que me beijam e começo a sentir tanto nojo. E vejo que se trata de uma princesa com a boca muito grande e cheia de baba e uns olhos imensos, como de peixe...

Por isso, quando o cavalheiro Arnoldo Lexicónio salvou o reino de al-Gharbia de uma família de dragões anões –que são muito perigosos, porque embora sejam pequenos, atacam em equipa–, o rei Ahmed IV quis dar a mão das suas três filhas ao cavalheiro, mas este não aceitou. O rei sentiu-se humilhado por ter sido rejeitado aquela prenda tão generosa e mandou os seus guardas contra o cavalheiro.Este, apesar de ter sido um heroi, foi enviado à prisão no meio do deserto, com a sua mãe e a sua inseparável dromedária Saltadunas. O rei lançou uma ameaça:

– Ou casas com uma das minhas filhas, ou ficas aí até o fim da tua vida.

Que situação tão triste era aquela para o bravo cavalheiro Arnoldo. Preferia mil vezes lutar contra dragões e criaturas perigosas do que ter que decidir com que princesa devia casar. Mas o pior de tudo era ter que aturar todo o tempo as lamentações da sua mãe:

– Vês, meu filho? Já te disse há muito tempo que tinhas de casar-te com uma princesa. Assim temos chegado a este ponto e agora nem sei se conseguiremos sobreviver...

Mas o cavalheiro não dizia nada, apenas sentava-se todo o dia acima de uma rocha e via como passavam as horas. Só contava com a amizade da sua dromedária que ficava ao seu lado todo o tempo. Porém, algo terrível continuava a suceder pelas noites: continuava a sonhar que era beijado por diversas princesas, todas elas feias, de grandes bocas e olhos de peixe... Aqueles pesadelos repetiam-se todas as noites. Era tão infeliz...

Mas a vida naquela prisão do deserto era muito tediosa. O cavalheiro Arnoldo não podia passar todo o tempo a sonhar de noite com princesas nojentas e de dia a olhar para a areia, embora sua mãe fosse capaz de surpreendê-lo a cada dia com pratinhos deliciosos. Fez saber ao rei que aceitaria a mão de uma das princesas, filhas dele. O rei, muito contente, comandou trazer o Arnoldo, a sua mãe e a dromedária. As princesas, cobertas com véus, não eram visíveis. Nem os olhos delas se viam. Iam as três vestidas iguais, com tecidos de algodão, e tinham a mesma altura.

– Ó, rei, não sei qual escolher. Nem posso ver-lhes os olhos –disse o cavalheiro.

– Tem que ser assim –explicou o rei–. Assim o diz a nossa religião. Mas também podes casar com as três, se quiseres.

– Bom rei Ahmed, é a minha religião que não me permite casar-me com três  mulheres.

– Então casa-te com duas...

– Também não. Só posso casar-me com uma.

– Pois é. Mas temos que arranjar isto de alguma maneira.

– Temos. Majestade, eu proponho que sejam as vossas filhas que decidam qual quer comigo casar.

O rei ficou muito surpreendido. Isso não era o costume. Mas também não havia qualquer lei que dissesse que uma princesa não podia escolher com que cavalheiro podia casar-se. 

As princesas foram consultadas. Elas concordaram, mas pediram ser beijadas durante a noite pelo cavalheiro às escuras, para pelo beijo uma delas poder escolher o cavalheiro. O rei concordou com aquela proposta.

Quando chegou a noite, o cavalheiro levantou-se para ir até o quarto da primeira princesa. Como estava tudo tão escuro, perdeu-se e acabou nos estábulos. Por causa do calorzinho delicioso que ia lá dentro, caiu na palha e adormeceu logo. Quando amanheceu, encontrou-se rodeado de vacas que olhavam para ele com olhos ternos.

Pela manhã, foi convocado pelo rei. O cavalheiro ia explicar que não pudera cumprir a sua encomenda, mas antes de ele falar, já o rei tinha pedido às princesas que falassem.

– Fostes beijadas pelo cavalheiro, ó minhas filhas?

– Fomos –responderam elas ao mesmo tempo.

– E qual de vós quer casar com ela?

– Eu não –disse a primeira.

– Eu não –disse a segunda.

– Eu não –disse a terceira.
Tanto o rei quanto o cavalheiro ficaram com a boca aberta. O rei pensava que aquilo era muito estranho, mas o cavalheiro pensava que era mais do que estranho, era sinistro, porque ele não beijara nenhuma princesa.

– Por que, ó filhas, não quereis casar com o cavalheiro nenhuma de vós?
A resposta foi única:

– Porque ele beija com uns lábios enormes cheios de baba e uns olhos de peixe que dá nojo.

O cavalheiro, ao ouvir aquelas palavras, lembrou a descrição dos beijos dos seus sonhos.

O rei, homem justo, decidiu então:

– Como as minhas filhas não querem casar-se contigo, és livre para ir embora com a tua mãe e a tua dromedária.

– Sois um homem muito justo, ó rei Ahmed –respondeu o cavalheiro Arnoldo. Ficai em paz, vós e o vosso reino.

E o cavalheiro foi embora, com a mãe e a dromedária Saltadunas, mas naquela mesma noite, já no deserto, voltou a ter os mesmos pesadelos de ser beijado por uma princesa feia como uma legião de bruxas, pelo qual tornou a sentir muito nojo cada vez que era beijado em sonhos... E assim seguiu durante muito tempo, com pesadelos semelhantes todas as noites, enquanto nem suspeitava que os beijos não eram imaginados, mas reais, e que era a sua própria dromedária que o beijava todas as noites quando ele já roncava placidamente. Porém, a mãe do cavalheiro, não parava de dizer-lhe que já eram horas de ele deixar de ir matando dragões e dedicar-se a procurar esposa.

E encontrou-a. Afinal o cavalheiro apaixonou-se duma criadora de dromedários, o que despertou os ciúmes de Saltadunas. Porém, essa é já outra história.


© Frantz Ferentz

quarta-feira, abril 04, 2012

CANDO CHÍAN AS GAIVOTAS [+8 anos]


As gaivotas do barrio de Fontecadelas tiñan fama de ser as gaivotas máis ruidosas de todo o continente europeo. Non había xeito de facelas calar. Cando se puñan de acordo para chiar todas asemade, os veciños desesperaban e, se eran horas de durmir, ninguén durmía... bo, ninguén, non, don Cloio si, porque era xordo de todo e xa podían disparar un canón ao lado da súa orella que pensaba que era un mosquito. Os veciños fixeron xuntas e xuntas para tratar o tema, mais ninguén non sabía como se podía facer calar as gaivotas. Tampouco se podían incomodar, porque había unha lei que impedía facerlle calquera mal, por iso, a proposta de pórlles un anaco de esparadrapo ao redor do beco a todas elas non puido ser levada a cabo, embora contase co apoio de todos os veciños.

Por iso, puxeron un anuncio no xornal que dicía: «Comunidade de veciños do barrio de Fontecadelas procura experto que remate co caos dos cantos das gaivotas sen incomodalas». Só houbo unha resposta a aquel anuncio e chegou da man dunha moza moi magriña cos cabelos acaracoladas chamada Lucía Dapena, e un pouco de pena si que daba vela. Ela dixo aos veciños nunha xunta que acabaría co seu problema por só cincocentos euros unha bolsa de farrapos de millo de cores.

Os veciños aceptaron. Ninguén, porén, sabía como ela ía facer. Pensaron que, talvez, tería algún método secreto ou que, se cadra, se podía comunicar telepaticamente coas gaivotas para convencelas de calaren. Mais non foi nada diso. Apareceu vestida de directora de orquestra, con batuta incluída. Chantouse no medio do porto, que era onde estaban a maioría das gaivotas e comezou a mexer a batura coma unha louca, a toda velocidade. As gaivotas non a perdían de vista, de maneira que o resto de gaivotas do barrio se concentraron no porto até formaren un semicírculo. Comezaron todas a chiar, co cal os veciños pensaron que chegaba a fin do mundo, mais, aos poucos, os chíos foron tornándose harmónicos, rítmicos, agrupados, con tonalidades suaves. E a rapariga dirixía aquel coro de gaivotas, facendo entrar a unhas e calar a outras, distinguindo entre tenores e sopranos... 

Ao final, acudiron os veciños para aplaudir e as gaivotas baixaron a cabeza desde o alto dos predios para agradeceren os aplausos. Fora un concerto espectacular. Tanto foi así, que pouco tempo despois a televisión foi transmitir o concerto de gaivotas e, aos poucos, comezaron a chegar os turistas para gozar daquel espectáculo de chíos de gaivota en concerto.

E aquilo tería rematado ben, se non fose porque, despois de conseguir harmonizar os cantos das gaivotas, Lucía Dapena decidiu mudar de ares e marchar lonxe de alí para dedicarse a aprenderlles aos pingüíns a xogar voleibol. E o problema agora non é que as gaivotas chíen caóticas coma antes, senón que, cando tentan dar un concerto, desfinan horrorosamente, o cal é aínda peor.

© Frantz Ferentz, 2012