domingo, outubro 30, 2016

A REBELIÓN DOS SACOS DE LIXO [+10 anos]


Resultado de imagen de garbage bag


Personaxes

Saco de lixo 1
Señora con canciño
Axente 1 / saco 2
Axente 2 / saco 3
Corredor / saco 4
Rexedora / saco 5
Capitán da policía / saco 6


O palco é un parque convertido en vertedoiro, con sacos de lixo espallados polo chan, principalmente na metade final, para o fondo. Os sacos de lixo han de ser de preferencia mouros.

O palco estará case ás escuras, excepto por algún foco que ilumine, principalmente, a metade del que cae do lado do público, mentres que a outra metade debe estar na penumbra ou até ás escuras.

De repente, un saco de lixo érguese. Pódese notar a súa forma humana, con brazos e pernas. O saco do lixo aproxímase do centro do palco e espreguiza.

SACO 1: ¡Uahhhhh! (estricando). ¡Que soneca tan agradábel! ¡E agora a cear!

De repente, séntense uns pasos. Tamén se ouven uns ladridos de can pequeno. Aparece por un lateral unha señora a pasear o seu canciño. O can será falso. A señora turra del para o centro do palco. O animal oponse ficando parado, mais a señora conseguirá arrastrar nel. Entre tanto, o saco de lixo ficou inmóbil, sentado, no centro do palco.

SEÑORA: Pinki (ao canciño). Ven, parviño, non queiras que che rogue.

O can continúa a se resistir, mais a señora consegue turrar del e chegan á altura do saco de lixo que permanece inmóbil. E mesmo cando o can chega á altura do saco de lixo, este salta de repente sobre el e devórao dun bocado. A correa cae n chan e óuvese un sonoro arroto.
Entre tanto, a señora ficará paralizada, presa do medo. Mais só uns segundos, a seguir, largará un alarido e correrá para o lateral por que entrara, saíndo do palco.
O saco, polo seu lado, hase erguer tranquilamente do chan e irá reunirse co resto dos sacos de lixo na metade final do palco.

SACO 1: Nótase que ese can estaba ben criado. Aínda que fose tan pequeno, tiña moita carne.

Así que o saco de lixo sente xunto cos outros sacos, entre os cales pasará desapercibido, entrará no palco novamente a señora do can, presa da histeria, acompañada de dous axentes da policía que levan cadansúa lanterna.

SEÑORA: Xúrollo, axente. Un deses sacos lanzouse sobre o me Pinki e comeuno de vez, sen mastigar nin nada (di mentres mentres acena para o centro do palco, onde xa case chegaron, mais alí non hai nada)

AXENTE 1: Imos ver, señora, e non será que o seu Pinki, que debe ser brincallón como todos os cans, no se metería el só nun saco para xogar ou procurar comida e agora non pode saír?

SEÑORA: Que non, axente, que non…

Ambos os axentes e mais a señora xa están no centro do palco. Nese momento, o segundo axente aluma coa súa lanterna para o chan e encontra a correa do Pinki alí botada.

AXENTE 2: Sospeitoso, moi sospeitoso (di mentres mostra a correa do can ao seu compañeiro)

AXENTE 1: Ti ves moitas películas, non si?

Nese momento chega un home a correr, en chándal.

CORREDOR: Deixen paso, por favor.

Tenta evitar os policías e mais a señora. Para iso móvese contra os sacos do lixo. Berra. Cae, pérdese entre os sacos. Un deles acaba de o engulir.

AXENTE 1: Está ben? Mancouse? (ao corredor)

Óuvese de novo un arroto. Do corredor non hai rastro ningún, porque caeu entre os sacos de lixo, mais foi engulido por un deles.

AXENTE 1: (ao axente 2) Achégate e dálle unha axudiña a ese señor, se cadra até se mancou.

AXENTE 2: Non penses, eu vou pedir reforzos. Isto é un ataque de zombis. (O axente 2 quita o seu transmisor e comeza a pedir axuda.). A todas as unidades, temos un 4-3-4, ou quizá sexa un 8-0-3… Ben, non sei, a cousa é que necesitamos de reforzos. Repito, necesitamos de reforzos.

AXENTE 1: Non sexas paranoico.

O axente 1 métese entre os sacos.

AXENTE 1: Señor, está ben? Escóitame? Señor?

       Óuvese un novo arroto. O axente 1 desaparece. É engulido por un saco de lixo, de aí o arroto.
       Ao axente 2 cáelle o transmisor para o chan. Quita a pistola. Treme coma un flan.  

AXENTE 2: Sacos de lixo, estades arrestados. Tendes dereito a gardar silencio. Todo o que digades pode ser usado contra vós. Tendes dereito a un avogado. Se non podedes pagalo, hásevos asignar un de oficio...

Mentres vai dicindo todo isto, coa pistola fora da funda, o axente métese tamén entre os sacos de lixo. Axiña desaparece da vista. Óuvese un novo arroto. Tamén el é engulido.
Tres sacos póñense en pé.

SACO 1: Vedes como eu tiña razón? Aquí hai cea para todos.

SACO 2/AXENTE 1: Certo, mais este poli tiña o colesterol un bocadiño alto.

SACO 3/CORREDOR: Polo contrario, o meu era todo fibra. Non gusto de comer deportistas, déixanme famento…

SACO 1: Está ben, non vos queixedes, que eu só comín un can miudiño.

SACO 4/AXENTE 2: A min este policía provócame gases… (e larga un arroto).

Entrementres, a dona do can foi testemuña muda da conversa entre os sacos de lixo. Mais nese instante reacciona e fala co saco 1. Comeza a bater nel co seu bolso.

SEÑORA: Devólveme o meu Pinki, devólvemo…

SACO 1: Señora, pare quieta, por favor.

A señora aínda bate no saco dúas veces máis co seu bolso. Mesmo entón chega a rexedora co capitán da policía.

CAPITÁN: Todo ben, señora?

SEÑORA: Si, mais quero que este lixo me devolva o meu Pinki.

SACO 1: Guau, guau.

SEÑORA: Pinki!

O capitán achégaselle con cautela, esquivando os sacos de lixo; cóllelle a man e turra dela e quítaa da zona dos sacos até a colocar cabo da rexedora.

REXEDORA (ao saco 1): Que reivindicacións tendes?

SACO 1: Só queremos comer.

REXEDORA: Desde cando os sacos de lixo se alimentan?

SACO 1: Desde que vós, os humanos nos creastes. Non estades conscientes de todo o que botades para o lixo. Toneladas e toneladas de desperdicios en vertedoiros. Aí o deixades todo e, se tal, soterrádelo. Entón, sabede que despois de tanto tempo a vos desfacer dos vosos desperdicios, nós cobramos vida. Vós creástesnos…

REXEDORA: Iso é imposíbel. Nós non fixemos tal. Somos os amos do planeta.

SACO 1: Iso é o que vós credes.

REXEDORA: Ademais, como fededes. É que ninguén vos explicou o que é unha ducha?

SACO 1: Señora, sómoslle lixo.

Nese momento, todo o palco fica ás escuras. Non se ve nada. Apenas se ouven tres arrotos consecutivos. Os tres personaxes son engulidos por tres sacos baleiros. Proseguirá a escuridade.

SACO 2/AXENTE 1: Bo proveito

SACO 1: Graciñas.

SACO 5/REXEDORA: Graciñas.

SACO 6/CAPITÁN: Graciñas.

       Regresa a luz. Os seis sacos son de novo os seis personaxes que foron previamente engulidos, aínda que enfundados nun saco de plástico por riba das súas roupas (deixarán saír a cabeza, os brazos e as pernas. O saco 1 é agora a señora do canciño, mas esta camiña sobre catro patas e ladra.

AXENTE 1: Xa está. Agora o planeta é noso.

REXEDORA: E eu vou ordenar, que é do que gusto.

AXENTE 2: Ah, non, que eu sempre quixen ordenar tamén. Déixame a min, déixame a min.

REXEDORA: Nin penses.

CORREDOR: Parecedes humanos.

SEÑORA (fala medio ladrando): Tes razón, arf, arf, tes razón… Auuu (ouveando)

CAPITÁN: Non discutades. O importante é que o demos feito. Como sabía eu que aquel vello ditame humano era totalmente certo.

TODOS JUNTOS: Que ditame?

CAPITÁN: Aquel que di: “Somos o que comemos”. Por tanto, se os humanos comen lixo, son lixo; mais, se nós comemos humanos, somos… (para o público)

REXEDORA (para o público, adiantándose até o bordo do palco): Por favor, non nos confundades cos zombis. Nós cheiramos moito peor.


TELÓN


© Frantz Ferentz, 2016

sábado, outubro 15, 2016

OS OLHOS|OLLOS DA SOLE [+8 anos]

A Sole veio passar umas férias para nossa casa. Era amiga da minha irmã Cecília. Dormia num pequeno quarto ao lado da cozinha que fora preparado para ela ter lá o seu dormitório. 

Todas as manhãs, repetia-se o mesmo ritual, que começava com a minha irmã a bater na porta do quarto da Sole.
— Posso? —perguntava a minha irmã.

— Não, que ainda não pintei os olhos —dizia sempre a Sole.

E então minha irmã ficava à espera da Sol dizer, após uns minutos:

— Já podes.

E então a minha irmã dava os bons dias à Sol e iam juntas tomar o pequeno-almoço. Eu sempre era testemunha muda daquele ritual de que elas tanto gostavam, mas confesso que, na altura, estava imensamente curioso de ver como a Sole pintava os olhos, porque, quando saíam, parecia uma princesa egípcia, com aqueles olhos pretos e aquelas pestanas que quase acarinhavam a pessoa que estava em frente da Sole.

Porém, um dia quis pregar partidas à Sole. Cheguei até à porta do seu quarto antes do que a minha irmã. Bati suavemente na porta e disse a tentar imitar a voz da minha irmã:

— Posso?

E ela respondeu como sempre:

— Não, que ainda não pintei os olhos.

Mas eu abri a porta. Ela estava virada de costas, por isso não vi o seu rosto no primeiro momento. Mas quando se virou, fiquei assustado. Embora estivesse em frente de mim, ela não me via, não tinha... olhos! Não me podia ver. O seu rosto estava completo, mas, com efeito, não tinha olhos.

— Mas é que estás sorda? —disse ela, acreditando que eu era a minha irmã—. Ainda não pintei os olhos. Sai e espera fora por mim, por favor. Um dia vou fazer-te eu a mesma coisa a ti antes de pintares a boca e deixo-te sem pequeno-almoço...

Não abri a boca. Saí do quarto e fiz soar a porta para ela saber que saía. Nunca contei aquilo a ninguém. Até hoje, quando, em adolescente, acabo de descobrir que posso barbear-me com uma borracha.



A Sole veu pasar unhas ferias para a nosa casa. Era amiga da miña irmá Cecilia. Durmía nun pequeno cuarto ao lado da cociña que fora preparado para ela ter alá o seu dormitorio. 

Todas as mañás, repetíase o mesmo ritual, que comezaba con a miña irmá a bater na porta do cuarto da Sole.

— Podo? —preguntaba miña irmá.

— Non, que aínda non pintei os ollos —dicía sempre a Sole.

E entón miña irmá ficaba á espera da Sol dicir, após uns minutos:

— Xa podes.

E entón a miña irmá daba os bos días á Sol e ían xuntas tomar a parva. Eu sempre era testemuña muda daquel ritual de que elas tanto gustaban, mas confeso que, na altura, estaba inmensamente curioso de ver como a Sole pintaba os ollos, porque, cando saían, parecía unha princesa exipcia, con aqueles ollos pretos e aquelas pestanas que case acariñaban a persoa que estaba en fronte da Sole.

Porén, un día quixen brincar coa Sole. Cheguei até a porta do seu cuarto antes que a miña irmá. Batín suavemente na porta e dixen a tentar imitar a voz da miña irmá:

— Podo?

E ela respondeu coma sempre:

— Non, que aínda non pintei os ollos.

Mas eu abrín a porta. Ela estaba virada de costas, por iso non vin o seu rostro no primeiro momento. Mas cando se virou, fiquei asustado. Embora estivese en fronte de min, ela non me vía, non tiña... ollos! non me podia ver. O seu rostro estaba completo, mas, con efecto, non tiña ollos.

— Mas é que estás xurda? —dixo ela, acreditando que eu era a miña irmá—. aínda non pintei os ollos. Sae e espera fora por min, por favor. Un día heiche facer eu a mesma cousa a ti antes de pintares a boca e déixote sen parva...

Non abrín a boca. Saín do cuarto e fixen soar a porta para ela saber que saía. Nunca contei aquilo a ninguén. Até hoxe, cando, en adolescente, acabo de descubrir que podo barbearme con un borrador.


© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Ilustração: Valadouro, 2016

terça-feira, outubro 04, 2016

QUESTÃO DE CEGONHAS OU DONDE VÊM AS CRIANÇAS [+10 anos]


A nova professora, a Martinha, vinha nervosa para a sala de aula. O que chegava naquele momento no temário era a reprodução humana. Era um tema muito delicado e ela não sabia se seria capaz de explica-lo bem. 

Meia hora antes, a diretora dizia-lhe: 

– Não tenhas medo. É só seguires o que diz o livro de texto –e entregou-lhe uns fólios–. Este governo indecente impõe um temário que vai contra os bons princípios, bem sei, mas temos a obriga de explicar a questão dos filhos. Porém, cá temos estes materiais feitos na própria escola que te serão muito úteis. 

Embora a Martinha tivesse aqueles materiais, ela estava muito nervosa. Aquele era um tema de que não gostava nada tratar. Preferia mil vezes tratar na criação, o amor na família ou até como a poluição destrói a criação. Mas falar em reprodução humana... Nos países sérios não se tocavam esses temas até que os rapazes tinham vinte anos, ou mais. Como se podia falar nisso com alunos de oito anos? Como? 

Pelo corredor da escola ressoavam os tacos dos sapatos da professora. O eco fazia com que o som se estendesse por todo o edifício. Finalmente, a Martinha alcançou a sala de aula. Entrou, cumprimentou e disse num tom muito formal: 

– Hoje vamos falar de um tema muito sério. 

– De quê, professora? 

– Vamos falar... vamos falar... vamos falar... –finalmente tomou fôlegos e disse o queria dizer–, vamos falar donde é que vêm as crianças. 

Logo começaram os murmúrios entre os alunos. A professora estava nervosa demais, portanto, apenas repartiu entre eles os materiais que a própria escola tinha preparado. Tratava-se de uma coisa que eles consideravam um conto porque narrava uma estória. E como não podia ser de outra maneira, falava em cegonhas que traziam as crianças. A estória dizia assim. 




Numa noite de inverno, o João perguntou aos seus pais: 

– Papá, mamã, donde é que vêm as crianças? Ouvi dizer na escola que é como com uma semente que o pai planta na mãe. 

O pai sorriu e fez festas na cabeça do filho. 

– Não, filhote. Parecemos plantas? Temos flores e folhas? Somos verdes? Não. É a cegonha que traz os filhos.? 

– E donde é que vêm? 

Ali a mãe disse: 

– Quando o pai e a mãe se amam muito, pedem para a cegonha vir e trazer-lhes um filho. 

– Eu gostaria de ter um irmãozinho! – disse o João 

– Então vamos pedir à cegonha para te trazer um irmão –disseram o pai e a mãe. 

E nove meses depois, a cegonha pousou no peitoril da janela da casa do João e lá deixou um vulto suave. 

Era um irmãozinho. 

– Obrigados! –gritaram os três. 

– E sabes porque nos trouxe o teu irmão a cegonha? –perguntou a mãe ao João. 

– Não sei 

– Porque nos amamos muito. E agora que somos quatro, temos que nos amar ainda mais. 

E assim foi desde então. 


“Que estória tão boa”, pensou a Martinha, quem quase tinha lágrimas nos olhos pela emoção. 

E então observou a expressão dos seus alunos. Estavam todos sérios. 

– Querem comentar algo? –preguntou a professora. 

A Sofia alçou a mão e pediu para falar: 

– Professora, você não calculou nunca a quantidade de pessoas que há no mundo? São mais de mil milhões de seres humanos. É matematicamente impossível que a cegonha traga as crianças. Não há tanta cegonha no mundo. 

– Professora –disse então o Filipe–, as cegonhas são aves migratórias. Isso quer dizer que estão aqui connosco apenas de fevereiro até agosto. Como iam elas trazer as crianças no resto do ano? 

– Professora –comentou o Pedro–, mas não explicou como é que se pedem as crianças. 

Aí a professora ficou congelada. Respondeu a primeira coisa que lhe veio à cabeça: 

– Se calhar há um serviço de mail, sei lá. 

A Martinha estava a sentir uma angústia terrível. 

– Então –prosseguiu o Pedro–, como faziam antes quando não havia mail? Sinais de fumo? 

A Martinha queria sair da sala de aulas, mas não era muito sério isso. 

– Professora –disse a seguir a Helena–, há países onde não há cegonhas, como na Groenlândia. Como fazem lá? Trazem as crianças os pinguins? 

Aí a Martinha já não resistiu e saiu da sala de aulas. Sofreu um colapso nervoso e teve que ficar em casa uma semana, em repouso absoluto. 

Porém, os seus estudantes gostavam muito dela. Quiseram ter um detalhe com a professora. Por isso, entre todos pagaram um presente que lhe foi enviado para a sua morada. 

Quando a professora desembrulhou o pacote, encontrou um DVD e uma nota assinada por todos os seus estudantes que dizia: 

«Cara professora Martinha, as melhoras. Aproveitamos para lhe oferecer este DVD que explica donde vêm as crianças. Se calhar ainda não tem filhos porque ninguém lhe explicou como se fazem. Se precisar qualquer explicação, cá estamos nós. Forte abraço dos seus estudantes».

© Texto: Frantz Ferentz, 2016
© Imagem: Valadouro